quinta-feira, 9 de junho de 2016

Top 10 (Filmes sobre mágicos e o universo do ilusionismo)


Neste final de semana chega aos cinemas Truque de Mestre: O Segundo Ato, continuação do popular thriller de assalto dirigido por Louis Leterrier (O Incrível Hulk). Lançado no ano de 2008, o longa estrelado por Woody Harrelson, Jesse Eisenberg. Mark Ruffalo, Morgan Freeman e Isla Fisher surpreendeu ao faturar US$ 351 milhões ao redor do mundo, superando (e muito) o orçamento de US$ 75 milhões. Na trama, guiados por um misterioso interlocutor, um grupo de talentosos mágicos se reúne para colocar em prática uma série de gigantescos roubos contra poderosas instituições bancárias. Na continuação, agora dirigida por Jon M. Chu (G.I Joe: Retaliação), o grupo volta a se unir para um plano ainda mais mirabolante e grandioso. Aproveitando a estreia de Truque de Mestre: O Segundo Ato, neste Top 10 lembraremos de algumas das melhores e mais criativas produções envolvendo o mundo da mágica e do ilusionismo. E começamos com... 


10º O Incrível Mágico Burt Wonderstone (2013)


Estrelado por Steve Carrel, Steve Buscemi e Jim Carrey, O Incrível Mágico Burt Wonderstone arranca uma série de risadas ao introduzir a rivalidade entre mágicos e ilusionistas. Longe de ser o melhor trabalho do trio de protagonistas, o longa dirigido por Don Scardino brinca com os estereótipos em torno deste universo, principalmente no que diz respeito a jornada de decadência envolvendo o afetado protagonista. Os truques mostrados ao longo da película são  realmente engraçados, assim como a rixa entre os personagens de Carrey e Carrel. A trama, no entanto, é requentada e oscilante, daquelas que acompanha a jornada de redenção de Burt e a sua incessante busca pelo sucesso perdido. 

9º A Hora do Espanto (2011)


Remake do clássico oitentista, A Hora do Espanto voltou aos cinemas apresentados poucas mudanças em relação ao original. Além do excelente elenco, capitaneado por Colin Farrel, Tony Collete, Anton Yelchin e David Tennant, o longa ganhou alguns pontos extras ao dar um novo rumo para o apresentador Peter Vincent. Interpretado no primeiro longa por Roddy McDowall, o personagem é transformado num mágico especialista em lendas sobrenaturais, um tipo amedrontado e afetado que se torna a grande novidade desta refilmagem. 

8º O Vidente (2007)


Um dos inúmeros trabalhos estrelado por Nicolas Cage, O Vidente um dos poucos que se salva dentro da filmografia recente do ator. Dirigido por Lee Tamahori, o thriler de ação coestrelado pela fantástica Juliane Moore acompanha a jornada de um mágico que realmente possui poderes sobrenaturais. Vivendo de pequenos golpes em cassinos de Las Vegas, o ilusionista é recrutado por uma agente do FBI para tentar impedir um atentado terrorista em Los Angeles. Trazendo no elenco a bela Jessica Biel, o longa faz um competente uso da vidência do protagonista, se revelando um entretenimento decente e bem resolvido. 

7º Scoop: O Grande Furo (2008)


Simpático e criativo, Scoop: O Grande Furo mistura mágica e jornalismo ao acompanhar os bastidores de uma inusitada investigação. Sob a batuta de Woody Allen, que também estrela o longa, a película narra a jornada de uma radiante estudante de jornalismo (Scarlett Johansson) que, durante um truque de ilusionismo, recebe a visita do espírito de um experiente repórter. Durante o contato, ele revela o paradeiro do assassino do tarô, indicado que o criminoso seria um importante aristocrata inglês. Com este enorme furo de reportagem em mãos, a jovem decide sair pelas ruas de Londres à procura do malfeitor, sem saber as consequências desta busca. Longe de estar entre os grandes trabalhos de Allen, Scoop se garante não só no nebuloso cenário londrino, mas também no talento dos seus protagonistas. 

6º A Mente que Mente (2006)


Inspirado numa história real, A Mente que Mente utiliza o mundo dos mágicos ao promover um relato irônico sobre o fantasma do ostracismo. Estrelado pelo carismático John Malkovich, o longa dirigido por Sean McGinly acompanha a jornada de egocêntrico Buck Howard, um mágico decadente que já não convivia com o sucesso de outrora. Reconhecido pelas inúmeras aparições no programa Tonight Show de Johnny Carson, o mágico contrata o jovem Troy (Colin Hanks), um estudante de direito que resolve trancar a universidade e se tornar o assistente desta afetada figura. Apesar dos problemas iniciais, aos poucos Troy passa a conhecer a intimidade do Grande Buck Howards, criando um vínculo com ele ao tentar coloca-lo novamente no centro da mídia. Trazendo no elenco a expressiva Emily Blunt e o talentoso Tom Hanks, o longa não só investiga o declínio do universo dos mágicos, como também aborda temas como o sensacionalismo e o ostracismo. Nas entrelinhas, aliás, McGinly abre espaço para algumas interessantes participações especiais, a maioria delas envolvendo personalidades esquecidas pelo tempo. Sem querer revelar muito, nomes como os de Gary Coleman (Arnold), Michael Winslow (Loucademia de Policia) e George Takei (Star Trek) pontuam a trama criando um cenário condizente com o status do protagonista. Em suma, um longa irônico, inventivo e a sua maneira sentimental. 

5º O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus (2009)


Do visionário Terry Gilliam, O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus ficou reconhecidamente marcado por ter sido o último trabalho do saudoso Heath Ledger. Por trás deste trágico episódio, no entanto, reside uma película visualmente primorosa. Poético e criativo, o longa acompanha as desventuras de uma trupe de artistas que vive de pequenos truques de ilusionismo. Liderado pelo lendário Parnassus (Christopher Plummer), o grupo apresentava o espectador a um mundo de magia e sonhos, possibilitado graças a um perigoso pacto com uma nefasta criatura. Quando essa figura resolve cobrar a sua antiga dívida, Parnassus encontra ajuda no cafajeste Tony (Heath Ledger), um homem de passado nebuloso que resolve invandir este mundo de magia para resgatar a filha deste mágico. Com um baita problema em mãos, já que Ledger não finalizou as filmagens, Gilliam usou do seu reconhecido talento para impedir que o ator acabasse substituído. Desta forma, contando com a ajuda de alguns astros de Hollywood, o realizador faz um excelente uso da aura surreal da trama ao dar um novo rosto ao personagem a cada mundo visitado por ele. O resultado é uma combinação expressiva, teatral e em sua essência mágica. 

4º Truque de Mestre (2013)


Ainda que esbarre em alguns excessos, em nenhum momento os grandes números apresentados revelam factíveis aos olhos do público, Truque de Mestre está entre os melhores representantes do gênero. Dirigido por Louis Leterrier, o longa se tornou um surpreendente sucesso de público ao acompanhar as apresentações de um carismático grupo de mágicos. Com um argumento recheado de reviravoltas, a maioria delas bem resolvidas ao longo da película, o realizador francês adiciona uma pegada pop ao universo dos mágicos, potencializado pelo talentoso elenco. Ao contrário dos longas citados acima, aqui os ilusionistas são populares e descolados, um grupo cativante à serviço de um misterioso interlocutor. Ágil, envolvente e inegavelmente divertido, Truque de Mestre é um entretenimento escapista que guarda algumas interessantes surpresas. 

3º A Invenção de Hugo Cabret (2011)


Uma das inúmeras obras primas de Martin Scorsese (Touro Indomável, Os Infiltrados), A Invenção de Hugo Cabret resgata a magia por trás da origem do cinema. Numa verdeira carta de amor à sétima arte, o realizador norte-americano cria uma aventura magnífica sobre um dos primeiros grandes mágicos do cinema: o inestimável George Melies. A partir de um relato lúdico e encantador, Scorsese utiliza a jornada de um órfão como "desculpa" para apresentar o trabalho deste vanguardista diretor, um profissional que enxergou as fantásticas possibilidades por trás da invenção dos irmãos Lumiere. Impulsionado pela soberba performance de Ben Kingsley, pela magnífica direção de arte e pelos sublimes efeitos visuais, o longa flutua entre os gêneros ao desvendar os virtuosos truques de George Melies (Viagem à Lua). O resultado é um filme emotivo, delicado e absolutamente verdadeiro. 

2º O Ilusionista (2006)


Elegante e enigmático, O Ilusionista utiliza o mundo da mágica como o estopim para um instigante suspense. Dirigido por Neil Burger, o longa estrelado por Edward Norton e Jessica Biel volta para o início do século XX ao narrar a perigosa história de amor entre um famoso ilusionista (Norton) e a noiva (Biel) de um importante aristocrata (Rufus Sewell). Recheado de bem arquitetadas reviravoltas, o longa é habilidoso ao construir a rixa entre estes dois homens, potencializada pela presença de um investigador (Paul Giamatti) sedento para encontrar os "truques" por trás dos números deste importante mágico. Com uma direção de arte primorosa e uma fotografia levemente envelhecida, Burger constrói um 'mise en scene' intenso e envolvente, cujo ápice é atingido dentro do excelente último ato. 

1º O Grande Truque (2006)


Lançado um mês depois de O Ilusionista, O Grande Truque surge na primeira colocação ao apresentar a rivalidade entre dois mágicos obcecados pelo número perfeito. Dirigido pelo cultuado Christopher Nolan (Amnésia, Batman: O Cavaleiro das Trevas), o longa estrelado pelos talentosos Christian Bale e Hugh Jackman apresenta a nociva relação entre os amigos de infância Robert Angier e Alfred Borden, dois determinados ilusionistas que ultrapassam os limites da ética na tentativa conquistar o público. Apesar dos excessos ficcionais, Nolan segue um caminho original ao transformar a ciência no pano de fundo para as suas fantásticas reviravoltas. Trazendo o saudoso David Bowie como o inventor Nikola Tesla, o longa investe numa aura misteriosa ao desvendar os segredos por trás desta antiga parceria, escancarando os amores, as brigas e as frustrações por trás destes dois grandes mágicos. 

Menções Honrosas: O Mágico (2010), Oz: Mágico e Poderoso (2013), Houndini (1953), Atos que Desafiam a Morte (2007). 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...