quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Top 10 (Animações em Stop Motion)


Neste fim de semana chegou aos cinemas brasileiros o elogiado Shaun - O Carneiro (confira a nossa opinião aqui), mais uma das carismáticas animações do cultuado estúdio Aardman. Inspirado na popular série animada homônima de TV, o longa dirigido por Richard Goleszowski e Mark Burton acompanha a jornada de um grupo de carneiros que viaja para a cidade grande com o intuito de salvar o seu fazendeiro. Animado através do Stop Motion, uma trabalhosa técnica que fotografa quadro a quadro os movimentos dos personagens moldados manualmente, Shaun entra para o raro grupo de longas que ainda se escora nesta rudimentar tecnologia de animação. Numa época em que os efeitos digitais estão cada vez mais inseridos dentro do gênero, neste Top 10 Cinemaniac confira dez das mais caprichadas animações rodadas em stop motion. E olha, uma lista de altíssima qualidade.

10º James e o Pêssego Gigante (1996)


Apesar de possuir algumas cenas com atores reais, James e o Pêssego gigante merece figurar nesta lista. Dirigido por Henry Selick, que voltará a este Top 10 logo à frente, esta estilizada animação narra a história de James, um jovem que ao lado dos pais sempre sonhou em ir para Nova Iorque. Após ficar órfão, ele acaba indo morar com as suas cruéis tias, vendo este sonho ficar distante. Ao receber um presente de um misterioso homem, no entanto, ele embarca numa mágica viagem, conhecendo um grupo de insetos que reside dentro de um gigantesco pêssego que cresce nas redondezas. Visualmente brilhante, com personagens carismáticos e esteticamente particulares, James e o Pêssego Gigante comprovam a expressividade deste talentoso realizador. 

9º ParaNorman (2012)


Indicado ao Oscar de Melhor longa animado, ParaNorman se tornou um das grandes surpresas do ano de 2012. Convidando o espectador a uma daquelas divertidas jornadas, o longa dirigido por Chris Butler e Sam Fell apresentou uma brilhante mistura entre terror e aventura, fazendo referência a uma série de clássicos do cinema de Horror. Na trama, acompanhamos o jovem Norman, uma garoto de 11 anos que tem o dom de ver e falar com os mortos. Levando uma vida aparentemente normal no colégio, ele vê a sua rotina mudar quando um dos seus tios revela que uma velha maldição está próxima de atingir a cidade e que só o garoto poderia livrar todos os habitantes da região. Através de traços criativos e personagens particulares, ParaNorman é tecnicamente um dos trabalhos mais bem resolvidos desta lista, sendo lançando, inclusive, em 3-D. Toda a sequência final, aliás, é digna de aplausos. 

8º Mary e Max (2009)


Recheado de temas sérios e intensos, Mary e Max é incrivelmente singelo ao nos apresentar uma curiosa história de amizade. Dirigido e roteirizado por Adam Elliot, o longa australiano lida com temas espinhosos ao contar a história de Mary, uma solitária garotinha de oito anos que levava uma vida complicada. Alvo de bullying no colégio e sofrendo com os problemáticos pais, a jovem começa a se comunicar através de cartas com isolado Max, um homem de 44 anos que se achava diferente por ser obeso e sofrer a Síndrome de Asperger. Juntos, os dois iniciam uma comovente relação de companheirismo, superando as barreiras impostas pela vida. Visualmente melancólico, com uma atmosfera sombria que se distancia da maioria das produções do gênero, Mary e Max convida ao espectador a uma trama habilmente madura ao lidar de maneira inocente com temas tão complicados.

7º Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais (2005)


Num dos principais trabalhos do estúdio Aardman, Wallace e Gromit - A Batalha dos Vegetais fez grande sucesso. Vencedor do Oscar de Melhor Animação em 2005, o longa dirigido por Nick Park e Steve Box cativou os fãs ao mostrar a adorável parceria entre um cachorro e o seu dono. Responsáveis por fazer a segurança de algumas fazendas de cenoura, os dois resolvem criar uma máquina para fazer uma espécie de lavagem cerebral nos coelhos, impedindo que eles ataquem as hortas da região. Os planos, porém, não saem como o esperado, e os dois acabam criando um coelho gigante e inteligente, aterrorizando os fazendeiros locais. Divertido, ágil e absolutamente carismático, o longa nos brindou com uma animação de altíssima qualidade, apresentando traços adoráveis e de muita personalidade. Com destaque para o divertidíssimo Gromit. 

6º Frankenweenie (2012)



Adotando novamente uma estética sombria, Tim Burton volta a lista com Frankenweenie. Inspirado num curta metragem realizado pelo diretor no início da carreira, o longa subverte o clássico Frankenstein ao narrar a história de um inteligente jovem que resolve dar vida ao seu cãozinho morto após um atropelamento. Contando com personagens cativantes e um visual retrô que homenageia os mais clássicos filmes de terror, Frankenweenie acabou indicado ao Oscar de Melhor Animação comprovando o talento de Burton para estas animações mais dark's. 

5º O Fantástico Sr. Raposo (2009)



Uma animação dirigida por Wes Anderson não poderia ficar de fora desta lista. Através da estética reconhecidamente particular deste criativo realizador, a animação deu novos contornos ao conto infantil escrito por Roald Dahl, pintando uma genial crítica social. Na trama, após anos como ladrão de galinhas, o Sr. Raposo é obrigado a se aposentar e se torna um colunista do jornal local. Incomodado com a sua pacata rotina, ele se une ao seu parceiro Texugo e inicia um ataque as ricas fazendas dos temidos Boggis, Bunce e Bean. O que era pra ser uma pequena aventura, no entanto, logo ganha contornos mais drástico quando os três se unem para encontrar o culpado, atacando toda a família do Sr. Raposo. Detalhista e visualmente irresistível, O Fantástico Sr. Raposo impressiona ao trazer elementos mais sérios a cativante história de Dahl, propondo uma espécie de duelo de classes sem esquecer do instinto selvagem dos seus magníficos personagens. 

4º A Noiva Cadáver (2005)



Inspirado num conto russo-judaico do século XIX, A Noiva Cadáver levou o mundo dos mortos para as telas da animação. Dirigido pelo reconhecidamente sombrio Tim Burton, o longa foi também indicado ao Oscar de Melhor Animação, mas perdeu para Wallace e Gromitt. Com cenários expressivamente góticos, a animação narra a história de Victor, um jovem novo rico que tem um casamento arranjado a filha de dois aristocratas falidos. Após uma trapalhada durante o ensaio para o grande evento, Victor resolve treinar os seus votos na floresta, colocando o anel de noivado no que parecia ser uma galho de árvore. Ele, no entanto, não esperava que o galho fosse uma esquelética mão de uma morta, a noiva cadáver chamada Emily, e que ela voltaria a vida cobrando tal compromisso. Levado ao mundo dos mortos, Victor desaparece colocando em risco não só o seu casamento, mas também a sua própria vida. Recheado de originais números musicais, Burton esbanja a sua reconhecida categoria ao pintar esta sombria e cativante história de amor.

3º A Fuga das Galinhas (2000)



Irônica e inspirada, a animação A Fuga das Galinhas pinta uma curiosa revolução social dentro de um galinheiro. Primeiro grande sucesso da Aardman nos cinemas, o longa dirigido por Peter Lord e Nick Park arranca inúmeras risadas ao fazer do cenário rural uma espécie de prisão para as galinhas, que eram obrigadas a abastecer dois perversos fazendeiros. Sem possibilidades de escapar, as aves ganham uma esperança com o falastrão Rocky, um galo que conseguia voar, mas que quebrou a sua asa ao cair no galinheiro. Alimentando o sonho de fuga dos seus companheiros de "prisão", ele precisará correr contra o tempo já que os fazendeiros resolveram comprar uma máquina para fazer deliciosas tortas de frango. Visualmente irretocável, narrativamente inteligente, A Fuga das Galinhas se tornou um dos grandes pilares da animação em stop motion. 

2º O Estranho Mundo de Jack (1993)


Olha o Henry Selick de volta à lista. Fugindo dos clichês envolvendo os filmes natalinos, o realizador resolveu mudar o 'status quo' das produções desta época com o irreverente O Estranho Mundo de Jack. Contando com um belíssimo trabalho da equipe de animação, o protagonista se revelou um dos personagens mais icônicos do gênero, o longa narra história de Jack, uma importante figura da Cidade do Halloween que parece incomodado com a rotina envolvendo a celebração do Dia das Bruxas. Num dia, após vagar por uma soturna floresta, ela acaba acidentalmente entrando na Cidade de Natal, se encantando automaticamente com o espírito natalino. Após o sumiço do papai noel, Jack resolve assumir a entrega dos presentes, mas esbarra nas suas boas intenções a distribuir "presentes" sombrios que em nada agradavam. Indicado ao Oscar na categoria Melhor Efeitos Especiais, esta mistura entre Halloween e Natal conquistou a crítica e o público ao redor do mundo, criando um cenário tão vasto e detalhista que se revela impressionante mesmo na era da animação digital. Inspirado num poema escrito por Tim Burton.

1º Coraline (2009)



Surpreendentemente assustador, Coraline comprova que dentro do stop motion as tramas sombrias podem funcionar brilhantemente. Novamente dirigido por Henry Selick, o longa impressionou ao levar para os cinemas a criativa obra de Neil Gaiman. Flertando com o suspense ao longo de toda a película, lembro que na sessão em que assisti alguns pais se mostraram surpresa com a pegada soturna do longa, a animação narra a história de Coraline, uma jovem curiosa que se muda para uma casa do interior ao lado dos pais. Isolada e com poucos amigos, ela começa a explorar a sua nova residência, descobrindo uma passagem secreta para um mundo paralelo ao seu. Encantada com este novo universo, aonde seus pais pareciam bem mais atenciosos, ela pouco a pouco vai descobrindo os perigos desta realidade, embarcando numa mágica e perigosa jornada dentro da sua nova residência. Construindo e desconstruindo a sua própria animação ao longo da película, Selick brilha ao nos entregar uma aventura genuína, tensa e absolutamente expressiva. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...