sábado, 28 de fevereiro de 2015

Cinemaniac Indica (A Caça)

Num momento em que as plataformas virtuais mais parecem um grande tribunal, onde julgamentos sociais estão na moda, o diretor Thomas Vinterberg (Festa de Família) faz de A Caça um relato contundente sobre este lado mais nocivo da nossa sociedade. Contando com uma soberba atuação de Mads Mikkelsen (007 - Cassino Royale), o drama dinamarquês é um daqueles socos no estômago necessários para qualquer indivíduo. Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2014, perdendo a estatueta para o impecável A Grande Beleza, o drama dinamarquês lida com temas delicados de forma incrivelmente sútil, provocando uma impressionante sensação de passividade e indignação ao narrar as desventuras de um professor em meio as acusações de abuso sexual. Apostando numa narrativa que cresce gradativamente até um desfecho impactante, o longa é habilidoso ao mostrar as explosivas consequências da injustiça e do julgamento moral em uma pequena cidade do interior da Europa. 



Contando com uma fotografia extremamente acolhedora, que parece não combinar com a densidade da história, o roteiro assinado pelo próprio Thomas Vinterberg, ao lado de Tobias Lindholm, opta por mostrar com frieza o impacto desta condenação precipitada. Evidenciando desde o início quem são os verdadeiros culpados, o argumento narra o dia a dia de Lucas (Mads Mikkelsen), um respeitado e querido professor primário. Zeloso no cuidado das crianças, o homem acaba se aproximando da pequena e problemática Klara (Annika Wedderkopp), a jovem filha do seu melhor amigo (Thomas Bo Larsen) que se mostra um tanto quanto deslocada dentro da escola. Nitidamente afetada pelo descontrole dos pais, sempre envoltos a brigas e discussões, a menina de cinco anos passa a desenvolver uma grande afeição sentimental por Lucas. Sem ter a noção exata de suas atitudes, ela se sente muito frustrada quando Lucas recusa um presente seu após um inapropriado beijo. Inocentemente, Klara se aproveita de algumas palavras aprendidas com o irmão e resolve acusar o professor de ter lhe mostrado suas partes íntimas, iniciando assim um julgamento moral de grandes proporções. Mesmo sem qualquer tipo de comprovação, Lucas passa a ser perseguido em toda cidade, perdendo não só o seu emprego e os amigos, como também o simples direito de ir e vir. 


Apostando numa atmosfera curiosamente contida, que inicialmente não combina em nada com as acusações contra o professor, o diretor Thomas Vinterberg foge dos melodramas ao mostrar a reação dos moradores à essas acusações. Apesar da temática envolvendo o abuso sexual ser importante dentro da trama, o dinamarquês faz questão de deixar claro que Lucas é inocente e que o foco desta crítica está justamente nos acusadores. Apresentando inicialmente todos como grandes amigos, daqueles que se encontram frequentemente para beber e caçar, pouco a pouco o roteiro vai evidenciando o quão frágil eram essas amizades. Capturando com destreza toda a irracionalidade em torno do caso, Vinterberg é brilhante ao mostrar a reação inicialmente incrédula de Lucas, permitindo que o personagem gradativamente vá enfrentando essas acusações. Méritos que, logicamente, precisam ser divididos com Mikkelsen, num daqueles desempenhos arrebatadores. Demonstrando intensidade e um comovente ar contido, o ator cresce de forma ímpar em cena, construindo um clímax realmente devastador. Sem se apoiar no exagero, o restante do elenco também se mostra afiado, com destaque para a doce Annika Wedderkopp, naturalmente impressionante com a bem construída Klara, e para o também jovem Lasse Fogelstrom, explosivo como o inconformado Marcus. Desempenhos que amenizam, até mesmo, alguns pequenos problemas da trama, incluindo a inocência dos "profissionais" ao investigar o caso e o ritmo lento da primeira metade do longa.


Destacando toda a histeria coletiva em torno de uma acusação infundada, Thomas Vinterberg faz de A Caça uma crítica contundente, violenta e angustiante sobre a hipocrisia presente em nossa sociedade. Exaltando a irracionalidade em torno da reação dos moradores, o longa consegue evidenciar através do take final o tamanho das sequelas em torno da tão precipitada condenação moral. Conduzindo com grande inspiração essa trama de importante apelo social, o diretor dinamarquês questiona a estabilidade da vida social ao deixar claro que, num mundo sem direito a defesa, o "caçador" pode virar "caça" a qualquer instante. 

3 comentários:

Hugo disse...

É um drama sensacional, que mostra um lado terrível do ser humano.

O sofrimento do personagem principal rende um belíssima atual de Mads Mikkelsen.

Abraço

thicarvalho disse...

Mikkelsen realmente arrebenta Hugo. Grande abs.

thicarvalho disse...

Mikkelsen realmente arrebenta Hugo. Grande abs.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...