terça-feira, 11 de março de 2014

Cinemaniac Indica (O Sétimo Selo)

E hoje a nossa dica de cinema vem do fundo do baú. Dirigido pelo cultuado Ingmar Bergman, O Sétimo Selo é um daqueles filmes necessários para os fãs da sétima arte. Considerado uma das melhores obras da carreira do diretor sueco, o longa é uma impressionante alegoria sobre a racionalidade e o temor pela morte. Apostando em grandes atuações, incluindo um ainda jovem Max Von Sydow, e numa linha narrativa extremamente atrativa, recheada de espetaculares diálogos, O Sétimo Selo é um daqueles trabalhos feitos para propiciar a reflexão junto ao seu espectador. Ao falar sobre a morte e o medo coletivo que a envolve, Bergman, na verdade, busca valorizar o ato de estar vivo.

Baseado em uma peça teatral escrita pelo próprio Bergman, o longa é uma grande metáfora sobre o desespero diante da morte iminente. Lançado em meio a Guerra Fria, onde o mundo ainda alimentava uma série de incertezas envolvendo o temor de uma batalha atômica, a obra merece ser considerada um expressivo retrato social daquele momento em toda a Europa. Ao debater os ideais religiosos em pleno século XIV, num dos momentos de maior irracionalidade na Idade Média em função da devastadora peste negra, Bergman mostra a força do seu poderoso discurso. Na trama, após dez anos servindo as Cruzadas da Fé, o cavaleiro Antonius Block (Max Von Sydow) retorna a sua terra natal e se depara com a trágica doença. Enquanto a maioria da população local sucumbe à peste, Block parece se incomodar, unicamente, com as dúvidas que tomaram a sua cabeça. Afinal, por mais contraditório que pareça, após o período servindo a Igreja, o cavaleiro parece duvidar das suas próprias convicções religiosas. Tentando utilizar um pensamento racional, Block resolve procurar um caminho para retomar a sua fé. Ele, no entanto, é pego de surpresa ao se deparar com a própria morte em pessoa (Bengt Ekerot). Apesar do temor inicial, o cavaleiro não se intimida, e buscando um tempo maior de vida para encontrar as respostas que tanto procura, desafia a morte para uma partida de xadrez. Em caso de vitória, a morte o deixaria em paz. Caso contrário, ela teria a oportunidade de cumprir a sua missão. A partir daí, Block parte em uma jornada pela busca de explicações, ao lado de seu escudeiro Jons (Gunnar Björnstrand) e de um pacato e inocente casal de artistas.


Com uma genial recriação histórica, Bergman conduz com o peso necessário esta encenação sobre a Idade Média. Apresentando todos os exagerados discursos religiosos, que neste período alimentavam temas como o apocalipse e a caça as bruxas, o diretor sueco não poupa o espectador deste choque com uma realidade passada. Apostando numa atmosfera suja, não só na questão física, mas principalmente na moral, o diretor - indiretamente - não deixa de fazer a sua crítica à Igreja, com destaque para o foco ambiente apocalíptico criado pelos falsos profetas. Na verdade, a grande sacada de Bergman fica pela maneira com que ele conduz este debate entre a racionalidade e a religiosidade. Enquanto Block, apesar de relutar, ainda busca explicações, talvez um consolo, através da fé, seu fiel escudeiro Jons alimenta um pensamento mais objetivo e completamente pragmático. Os dois, porém, sabem que o fim se aproxima e, cada um da sua forma, buscam compreender o que terão de enfrentar pela frente. Explorando o excelente roteiro, repleto de frases marcantes, o diretor sueco transforma esta jornada de descobertas num original debate sobre as nossas crenças. Os diálogos entre Block e a morte são extremamente impactantes e revelam o frequente dualismo entre a razão e a religião, entre o racional e o irracional. Prova disso é que, enquanto busca alguma confirmação da existência divina, o cavaleiro recorre a todos os tipos de ajuda, mas só encontra ainda mais medos e dúvidas.


As opções do roteiro assinado pelo próprio Bergman, no entanto, adicionam uma complexidade maior a este embate filosófico, principalmente quando coloca em cena o inocente casal Mia (Bibi Andersson) e Jof (Nils Poppe). Uma dupla de artistas circenses, pais de uma pequena criança, que logo ganham a confiança de Block. Os dois funcionam como uma grande ferramenta de contraste no longa, já que diferente de tudo o que é apresentado no filme, são amorosos, respeitáveis e extremamente sensíveis. Em meio as incertezas e as poucas respostas conseguidas por Block, os dois se transformam num símbolo de resistência. Um elemento que, em meio as tragédias e o desespero, dá ao cavaleiro a esperança necessária para seguir e acreditar. E muito desta sensação se deve aos ótimos desempenhos da dupla de atores. Reconhecida por sua beleza estonteante, Bibi Anderson se torna o retrato perfeito da inocência. Ela, aliás, é acompanhada de perto por Nils Poppe, que, ao contrário dos demais personagens masculinos, mostra uma enorme fragilidade em cena. Além dos dois, Bergman tira o máximo também do trio formado por Von Sydow, excelente como um inquieto cavaleiro, Bengt Ekerot, frio como só a morte deveria ser, e principalmente de Gunnar Björnstrand, o lado racional e forte do filme.


Contrastando o pensamento racional com o religioso, O Sétimo Selo deixa claro que alguns fatos da vida são irremediáveis. Através desta intensa alegoria sobre o fim do mundo, o diretor Ingmar Bergman evidencia que aqueles que menos relutam são os primeiros a enxergar o seu verdadeiro destino. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...