sábado, 20 de outubro de 2018

Precisamos falar sobre Destino à Lua (1950), o filme que “levou” a corrida espacial para Hollywood

Neste final de semana chegou aos cinemas o aguardadíssimo First Man, um drama íntimo e humano sobre a incrível jornada Neil Armstrong (Ryan Gosling), o primeiro homem a pisar na lua. Em 20 de Julho de 1969, o mundo praticamente parou para assistir o épico feito dos tripulantes da nave Apollo 11, que, após anos de dedicação, esforço e sacrifício, conseguiram "dar um pequeno passo para (um) homem, um salto gigantesco para a humanidade". Em Hollywood, porém, os homens chegaram à lua bem antes do previsto. E num filme muito à frente do seu tempo. Considerado a primeiro grande obra de ficção realística sobre a então embrionária corrida espacial, Destino à Lua (1950) é o tipo de produção que merece ser redescoberta.

Dirigido por Irving Pinchel (Martin Lutero, Casei-Me como um Nazista), o longa se antecipou aos fatos ao projetar algo que só viria a acontecer quase duas décadas mais tarde. Numa época em que as noções sobre a viagem ao espaço eram basicamente teóricas, o realizador surpreendeu ao entregar uma película preocupada em respeitar às leis da física, em expor da forma mais verossímil possível os bastidores de uma viagem ao desconhecido. Para se ter uma noção do vanguardismo da obra, só em 1958 a NASA foi criada. Só em 1961 um homem, o russo Yuri Gagarin, se tornou o primeiro a ser lançado no espaço. Ou seja, por mais que na teoria os conceitos de viagem na estratosfera já fossem testados, na prática, na época da realização do filme, pouco se sabia sobre como "filmar" uma ida ao espaço. Era tudo muito novo e especulativo. Diante disso, Pinchel ganhou espaço para criar. O que, de maneira alguma, distanciou o filme do terreno da plausibilidade. 



Por mais que algumas soluções defendidas pelo roteiro sejam inimagináveis dentro do universo da corrida espacial, fica claro que o argumento acerta bem mais do que erra na tentativa de projetar como seria a primeira viagem à lua. Embora o longa parta de uma premissa completamente equivocada, o lançamento de quatro homens sem qualquer tipo de treinamento físico numa missão deste porte, Pinchel compensa ao tentar mostrar para o grande público que este sonho estava mais próximo de acontecer do que nunca. Logo de cara, sob uma perspectiva lúdica e criativa, o realizador é categórico ao usar o icônico personagem do Pica-Pau numa apresentação animada inteligente e elucidativa. Contando com os criativos traços de Walter Lantz, presentes no incrível curta, e com as impressionantes ilustrações de Chesley Bonestell (Guerra dos Mundos), responsável pela confecção do (quase) foto realístico cenário lunar, Pinchel surpreende ao prezar pelos detalhes, ao se esforçar para traduzir cinematograficamente o 'modus operandi' por trás de uma missão espacial. É legal ver, por exemplo, como o longa estabelece a estrutura do foguete. Ainda que, por fora, o visual soe cartunesco, internamente o conceito era justamente aquele. A "cabine" dos tripulantes, aliás, era ainda menor do que a pintada no filme. Num todo, inclusive, o longa é na maior parte do tempo cuidadoso ao explorar as noções de escala, ao capturar a imponência da nave, criando um vislumbre interessante do que estava por vir.


Outro ponto que agrada, e muito, é o cuidado de Pinchel em explicar como seria o "voo" e o pouso da nave, conceitos complexos reproduzidos com incontestável fidelidade. Mesmo limitado pela tecnologia da época, a produção consegue exibir num engenhoso 'mise en scene' prático o quão delicado era esse processo, constatando que um simples erro de cálculo poderia colocar tudo a perder. O que mais me impressionou, entretanto, é maneira com que Destino à Lua explora as noções de gravidade. Não sei precisar ao certo se, nos bastidores, já era possível simular a reação do corpo à gravidade zero. No filme, entretanto, o que vemos é uma representação digna de elogios, seguindo a consultoria do escritor\roteirista especialista no gênero Robert A. Heinlein. Ainda que, a rigor, seja um tanto quanto ridículo ver a tripulação viajando sem trajes no ambiente interno da nave, num todo Pinchel é criativo ao filmar a pressão gravitacional durante a decolagem, a sensação de leveza no espaço e as diferentes noções de resistência em território lunar. Mesmo com um excesso ou outro, o que vemos, para época, é um relato bizarramente à frente do seu tempo.


O mais legal, porém, é ver também como Destino à Lua influenciou outras grandes produções do gênero. Antes que Wall-E e Gravidade popularizassem o balé espacial com uso de oxigênio, Pinchel se antecipa ao usar esta "alternativa" numa espetacular missão de resgaste, contornando a falta de recursos tecnológicos com enorme inventividade. O mesmo, aliás, acontece dentro do nervoso clímax, quando, para se livrar do peso excedente e conseguir deixar a lua, os tripulantes são obrigados a praticamente desmontar a nave em busca de uma chance de sobrevivência. Um conceito muito utilizado hoje e que foi explorado com maestria no fantástico Perdido em Marte. Somado a isso, mais do que simplesmente revelar (pela primeira vez) a nossa vulnerabilidade no hostil ambiente espacial, Pinchel se antecipou também ao pintar interesse civil na corrida espacial, o que hoje, com a presença de companhias como a Space X, se tornou um frisson nos EUA.

Imagem dos bastidores das sequências espaciais.
Talvez o único senão da película, na verdade, fique para o viés bélico\patriótico. Num momento em que os Estados Unidos viviam um (aparente) período de paz e euforia no pós-triunfo da Segunda Guerra, os ideais defendidos pelo roteiro soam um tanto quanto nacionalistas, uma visão completamente equivocada sobre os interesses por trás da corrida espacial. Por mais que, na Guerra Fria, existisse uma competição clara entre norte-americanos e soviéticos, e que esse tema (a concorrência) seja abordado com perspicácia no longa, as intenções armamentistas defendidas pela trama são absurdas e se revelam o grande erro da película. É bom frisar, no entanto, que apesar do discurso possessivo no melhor estilo "pirata" dos personagens, o comedido tripulante interpretado por John Archer fala em servir a humanidade, um termo que anos mais tarde figuraria na icônica frase de Neil Armstrong. 


Preciso ao, tal qual em O Primeiro Homem, tratar os épicos feitos desta tripulação com sobriedade e propriedade, Destino à Lua ajudou a "inaugurar" a corrida espacial em Hollywood, servindo como molde nas décadas seguintes para alguns dos mais bem-sucedidos filmes do gênero. Por mais que, graças ao visionarismo estético de Irving Pinchel, o longa tenha faturado o Oscar de Melhor Efeitos Especiais, o grande prêmio da produção veio anos mais tarde quando Isaac Asimov, o "pai" da robótica e um Ás da ficção-científica, em sua autobiografia, classificou Destination Moon (no original) como "o primeiro filme inteligente de ficção científica produzido". Um elogio que vale muito mais do que qualquer estatueta. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...