terça-feira, 18 de julho de 2017

Fome de Poder

A construção de um Império

Redescoberto por Alejandro G. Iñarritu em BirdmanMichael Keaton é um daqueles atores que não deveriam cair no esquecimento. Longe de ser um símbolo de beleza, o astro de Os Fantasmas se Divertem (1985) e Batman (1989) construiu a sua carreira na base do talento, transitando entre os gêneros com enorme categoria graças ao seu carisma e versatilidade. Seja como um paladino da justiça, ou uma estrela de cinema decadente, Keaton é o tipo de ator que consegue absorver a multidimensionalidade dos seus personagens, imprimir sentimentos que vão além dos dualismos mais genéricos, uma característica rara que finalmente voltou a ser valorizada em Hollywood. Como podemos perceber num dos seus mais novos trabalhos, o envolvente Fome de Poder. Na pele do homem que transformou uma pequena loja de hambúrgueres na maior rede de 'fast-food' do mundo, Keaton brilha ao expor o melhor e o pior deste riquíssimo personagem. Sob a ritmada direção de John Lee Hancock (Um Sonho Possível), o longa é perspicaz ao mostrar em quais termos se deu a ascensão deste império, indo de encontro ao costumeiro teor reverencial ao revelar não só as artimanhas de um persistente vendedor em busca do sucesso, como também a reconhecida voracidade do mundo dos grandes negócios. 



Com uma narrativa ágil e um inesperado senso de plenitude, o argumento assinado por Robert D. Siegel, do excelente O Lutador (2008), é habilidoso ao narrar a trajetória dos homens por trás da ascensão da rede McDonald's. Apesar da atmosfera ensolarada proposta por John Lee Hancock sugerir uma abordagem mais simplificada sobre o tema, o roteiro não subestima a inteligência do espectador ao apontar a sua mira para o pano de fundo empresarial, para a tênue relação entre os donos da marca e aquele que se dispôs a torna-la popular ao redor dos EUA, preenchendo a trama com personagens humanos e conflitos naturalmente densos. Embora algumas situações sejam introduzidas\desenvolvidas com certa dose de conveniência, o longa instiga ao acompanhar os passos de Ray Crock (Keaton), um vendedor frustrado com um inegável faro para negócios revolucionários. Convivendo com a descrença daqueles que o cercavam, inclusive da sua simples esposa, a compreensiva Ethel (Laura Dern, subaproveitada), ele se depara com uma oportunidade única no momento em que cruza o caminho dos irmãos Dick (Nick Offerman) e Mac McDonald (John Carroll Lynch). Encantado pelo negócio da dupla, uma lanchonete organizada, familiar e extremamente lucrativa, Ray decide convencê-los a expandir a sua marca. Inicialmente relutantes, os dois logo se entusiasmam com as ideias do persuasivo vendedor e dão carta branca para que ele pudesse seguir os seus planos. Não demora muito, porém, para esta amistosa relação se tornar um problema, principalmente quando Ray se vê preso a intransigência e ao limitado tino comercial dos verdadeiros fundadores da empresa.


Mais do que reparar uma injustiça histórica, Fome de Poder coloca os pingos nos is ao revelar o papel de cada um dos envolvidos na construção da marca McDonald's. Por mais que o título "o fundador" seja associado à figura de Ray, o argumento é cuidadoso ao expor as verdades escondidas nos bastidores, dando ao longa um instigante viés intimista. Sem nunca se render ao teor unidimensional, John Lee Hancock faz questão de mostrar o mundo dos negócios como ele, expondo não só a persistência, a inquietude e o tino comercial do ex-vendedor, como também a voracidade, a ambição e o seu ardiloso 'modus operandi'. Impulsionado pela magnética performance de Michael Keaton, magnífico ao torna-lo uma figura astuta e tridimensional, um homem ambíguo que não reluta em tomar as rédeas de um negócio que originalmente não é seu, Hancock esbanja categoria ao justificar as motivações dos seus respectivos personagens. Nenhuma atitude soa puramente escusa ou maldosa. Um viés humano que fica evidenciado na complexa relação entre Ray e os zelosos irmãos McDonalds. Enquanto o primeiro parece disposto a tudo para alcançar os seus objetivos, Dick e Mac relutam em abrir mão das suas convicções, em rasgar a história da sua tão querida lanchonete, um contraste que logo se torna um empecilho e explica as crescentes desavenças na interação entre os três. Em contrapartida, Hancock não mostra a mesma inspiração ao desenvolver a maior parte dos personagens de apoio, reduzindo o peso de alguns arcos inicialmente promissores, entre eles a fria relação matrimonial de Ray e o seu repentino caso de amor com uma inteligente colaboradora (Linda Cardelline).


O que não chega a ser um problema, até porque John Lee Hancock se concentra naquilo que realmente interessa: os feitos empresariais de Ray Crock. Como se não bastasse os inegáveis predicados narrativos, o realizador reforça o mito em torno do ex-vendedor ao investir em enquadramentos singulares, realçando a sua imponência\visionarismo ao coloca-lo geralmente no centro dos planos. Por diversas vezes, inclusive, ele se preocupa em filmar a silhueta de Ray, em mostra-lo de costas para o público, evidenciando a sua superioridade perante os demais personagens ao fazer um inteligente uso dos pontuais contra plongées e da câmera subjetiva. Além disso, Hancock é igualmente criativo ao permitir que o protagonista busque um "diálogo" mais direto com o público, como se Ray quisesse frequentemente mostrar o quão bom era naquilo que fazia, permitindo que o espectador tenha a oportunidade de compreender as suas atitudes. Quando necessário, porém, o diretor é sagaz ao traduzir os conflitos mais íntimos do executivo, ao expor a amarga consequência dos seus atos, nos brindando com uma inspirada sequência final que parece duvidar do seu próprio personagem. Um desfecho agridoce e totalmente coerente com as atitudes de Ray.


Com a coragem necessária para expor, até mesmo, os motivos que fizeram da rede McDonalds um dos mais populares sinônimos do 'junkie food', Fome de Poder (que bela tradução) envolve ao revelar a (des)construção de um conceito. Embora mostre um inegável encantamento pela figura de Ray Crock, John Lee Hancock acerta ao não se render ao teor reverencial, encontrando na imagética presença de Michael Keaton a tridimensionalidade necessária para dar vida a uma persona tão complexa e impetuosa. Um verdadeiro homem de negócios. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...