domingo, 14 de maio de 2017

Ellen Ripley, Sarah Connor e as Mães mais Corajosas do Cinema


Algumas mães lutam para dar uma boa educação aos seus filhos. Outras lutam contra Aliens, robôs gelatinosos, sequestradores e avassaladoras tempestades. No Cinemaniac, neste Dia das Mães, preparamos uma lista com algumas das figuras maternas mais corajosas (a.k.a 'bad-ass) do Cinema. Parabéns a todas as mamães cinéfilas e vamos à lista.

- Ellen Ripley (Sigourney Weaver) - Aliens: O Resgate (1992)


Um das mamães mais 'badasses' da história da sétima arte, Ellen Ripley bateu diferente com uma legião de Aliens para salvar a pequena Newt em Aliens: O Resgate. Num filme com uma forte carga materna, a icônica heroína precisa deixar a tristeza de lado ao novamente se deparar com a ameaça xenomorfa. Aqui, porém, ela se vê numa situação inusitada no momento em que conhece uma pequena sobrevivente, a única de uma instalação colonizadora, uma garotinha corajosa que logo desperta nela os seus instintos mais maternos. Como se não bastasse a forte conexão entre as duas personagens, James Cameron injeta adrenalina ao colocar esta figura inocente no centro da ação, nos brindando com uma continuação empolgante e visualmente espetacular.

- Ma (Brie Larson) - O Quarto de Jack (2015)


Numa atuação vigorosa, Brie Larson entrega uma soberba atuação ao dar vida a uma esperançosa figura materna em O Quarto de Jack. Na pele da indomável Ma, a atriz vencedora do Oscar absorve com rara inspiração o misto de emoções enfrentadas pela sua personagem, uma jovem sequestrada que resolve fazer do seu cativeiro um lugar especial para o seu ingênuo filho. Embalado pela primorosa presença do pequeno Jacob Tremblay, o diretor Lenny Abrahamson esbanja sutileza ao narrar o drama desta forte personagem feminina, nos brindando com um longa sensível e comovente. 

- Shideh (Narges Rashidi) - Sob as Sombras (2016)


Imersivo enquanto suspense, Sob as Sombras se revela uma inspirada alegoria sobre o papel da mulher dentro da conservadora sociedade iraniana. Sob um ponto de vista particular, o longa dirigido por Babak Anvari é genial ao tecer um comentário crítico em torno da castradora realidade feminina, fazendo um primoroso uso dos simbolismos ao construir uma película tensa, ambígua e instigante. Embora o forte teor questionador seja o grande diferencial desta produção, o virtuoso realizador iraniano é igualmente habilidoso no que diz respeito ao fator entretenimento, cumprindo os pré-requisitos mais básicos do gênero ao nos brindar com um roteiro sólido, duas marcantes protagonistas e uma construção de atmosfera naturalmente assustadora. Além disso, o pano de fundo materno é brilhantemente explorado ao longo da película, indo além do contexto crítico ao mostrar as desventuras da independente Shideh (Narges Rashidi), uma mãe solitária que precisa enfrentar uma ameaça paranormal para manter a sua filha a salvo. 

- Gloria (Gena Rowlands) - Gloria (1980)


Mãe não é aquela que gera, mas sim que cria. Essa frase resume bem a figura materna vivida por Glória. Interpretada pela excelente Gena Rowlands, Glória é a ex-mulher de um mafioso que acaba se arriscando para salvar a vida de um jovem porto-riquenho. Uma daquelas relações que inicialmente parece não dar certo, mas que acaba revelando um grande vínculo entre os dois. Um baita filme que, anos depois, ganhou uma continuação bem menos inspirada estrelada pela musa Sharon Stone.

- Laura (Bélen Rueda) - O Orfanato (2007)


Até onde você iria para descobrir o paradeiro do seu filho? Laura não aceitou um não como resposta e enfrentou assombrosas aparições no excelente O Orfanato. Interpretada pela ótima Belén Rueda, esta indomável figura materna coloca a sua própria sanidade em cheque ao investigar o desaparecimento do seu menino, precisando lidar com os "fantasmas" do seu passado ao se vê sozinha numa mansão aparentemente pouco hospitaleira. Conduzido com sensibilidade pelo talentoso J.A Bayona, o longa se revela um suspense envolvente, um filme tenso e a sua maneira belo sobre a forte conexão entre mãe e filho. Indispensável para os fãs do gênero.

- Edna Spalding (Sally Fields) - Um Lugar no Coração (1984)


Responsável por interpretar uma das maiores figuras maternas da história da sétima arte, a dócil e bondosa Srª Gump (Forrest Gump: O Contador de Histórias), Sally Fields mostrou a sua faceta mais corajosa no excelente drama Um Lugar no Coração. Viúva e sobrecarregada, a independente Edna Spalding precisa enfrentar a dificuldade financeira e a falta de apoio ao não só cuidar dos seus dois filhos, como também ao tocar a sua fazenda de algodão e impedir que ela seja tomada pelo banco. Além de enfrentar um ambiente machista e patriarcal, Edna se vê obrigada a encarar outros enormes obstáculos, entre eles uma destruidora tempestade e o preconceito contra o seu único colaborador, o leal Moze (Danny Glover). Uma inestimável mamãe do cinema que merece marcar presença em qualquer lista do gênero.

- Ryan (Sandra Bullock) - Gravidade (2013)


Numa época em que muitas atrizes reclamam da falta de bons papéis para personagens femininas, Sandra Bullock é um dos raros nomes que conseguiu permanecer firme entre as grandes produções. Vencedora do Oscar por Um Sonho Possível, com outra ótima figura materna, a prática Leigh Anne, Bullock repetiu a dose no espetacular Gravidade. Dando vida a uma mãe traumatizada por uma dolorosa perda, a corajosa Ryan utiliza as suas memórias como um combustível, uma fonte de vida dentro de uma situação absolutamente angustiante. Esbanjando carisma e energia em cena, Bullock consegue levar o longa praticamente nas costas, construindo uma personagem forte num longa repleto de simbolismos. Todo o arco materno, por exemplo, é explorado com enorme sensibilidade por Alfonso Cuáron, culminando numa sequência final emblemática e revigorante. Um novo nascimento.

- Helen Pera - Os Incríveis (2004)


Como toda mãe é uma grande heroína por nos aturar, não podíamos deixar de fora a Srª Incrível. Com voz de Holy Hunter, a Mulher Elástico, ou Helena Pêra para os seus filhos, é uma daquelas mães que divide o seu tempo entre o crime organizado e a sua família. Tudo isso sem perder a paciência.

- Valka - Como Treinar o Seu Dragão 2 (2014)


Uma das grandes novidades de Como Treinar o Seu Dragão 2, a indomável Valka rouba ao cena ao revelar os motivos por trás do seu desaparecimento. Obrigada a largar o seu filho ainda bebê, ela se tornou uma protetora dos dragões, uma guerreira misteriosa que anos mais tarde encontra uma oportunidade de se reaproximar da sua família. Uma das animações de grande escala mais corajosas dos últimos anos, Valka se revela uma figura complexa, a primeira a perceber a bondade por trás das feras, mostrando que a coragem estava no seu DNA.

- Drª Louise Banks (Amy Adams) - A Chegada (2016)


O melhor filme de 2016 segundo este cinéfilo que aqui escreve, A Chegada explorou a maternidade sob um prisma extremamente inventivo. Com um argumento recheado de instigantes reviravoltas, Dennis Villeneuve envolve ao narrar a jornada da Drª Louise Banks, uma linguista contratada pelo exército americano para decifrar a linguagem de uma raça alienígena. Interpretada com densidade pela excelente Amy Adams, Louis surge como uma mãe traumatizada prestes a se deparar com um dilema realmente espinhoso. Uma espécie de A Escolha de Sofia dos tempos modernos. Uma bela maneira de se retratar o amor materno.

- Meg Altman (Jodie Foster) - O Quarto do Pânico (2002)


Diante de um cenário bem mais prático, a astuta Meg Altman coloca o seu instinto materno em cena ao impedir que um trio de sequestradores ameace a vida de sua filha no sufocante O Quarto do Pânico. Reconhecida por interpretar grandes personagens femininas, a talentosa Jodie Foster nos brinda aqui com uma personagem ágil e inteligente, uma mulher capaz de utilizar o domínio territorial como um forte aliado nesta situação. Sob a batuta do virtuoso David Fincher, O Quarto do Pânico se livra dos clichês em torno  do sexo frágil ao construir um longa tenso, humano e genuinamente materno.

- Samantha (Geena Davis) - O Despertar de um Pesadelo (1999)


Talvez a mamãe menos conhecida desta lista, a "esquecida" Samantha se vê numa situação perigosa no desconhecido O Despertar de um Pesadelo. Interpretada pela ótima e sumida Geena Davis, o longa dirigido por Renny Harlin (Duro de Matar 2) narra as desventuras de uma mãe cuidadosa com um inusitado problema de memória. Ela simplesmente não lembrava do seu passado. Mãe da pequena Caitlin (Yvonne Zima), Samantha vê a sua rotina mudar no momento em que sofre um acidente de carro. Após uma pancada na cabeça, a mulher passa a conviver com flashs de memória e descobre uma inesperada habilidade com armas e lutas corporais. Logo ela descobre os segredos em torno do seu passado e passa a entrar na mira de um perigoso assassino.

- Maria (Naomi Watts) - O Impossível (2012)


Inspirado numa poderosa história real, O Impossível atesta o poder do amor materno ao narrar a jornada de uma mulher disposta a salvar o seu filho de um devastador tsunami. Numa atuação física e vigorosa, Naomi Watts traduz com absurda contundência as consequências desta aterrorizante experiência, principalmente na poderosa relação com o seu jovem e assustado filho (Tom Holland). Indicada ao Oscar por este papel, a atriz australiana faz de Maria uma figura exemplar, uma verdadeira sobrevivente. Mais um excelente trabalho do diretor J.A Bayona.

- Sarah Connor (Linda Hamilton) - Exterminador do Futuro 2 (1991)


Enquanto algumas mães se dedicam a cuidar da comida de seu filho(a), outras lutam contra androides do futuro para impedir um grande plano contra o seu futuro filho. Esse é o caso de Sarah Connor, uma mulher de força interpretada pela bela Linda Hamilton. Ainda que também pratique uma forma pouco ortodoxa de criar o seu filho na ótima continuação, Connor merece estar na lista só pelo fato de impedir a revolução das máquinas. Um ótimo desfecho para esta lista.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...