quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Top 10 (Novos "heróis" do Velho cinema de Ação)


Nesta quinta-feira chegou aos cinemas o aguardado John Wick: Um Novo dia Para Matar (leia a nossa crítica aqui), o segundo capítulo de uma das mais novas franquias de ação produzidas por Hollywood. Lançado sem grande alarde no ano de 2014, o original De Volta ao Jogo se tornou um inesperado sucesso de público, um filme elegante e explosivo conduzido com energia pelo ex-dublês Chad Stahelski e David Leitch. Estrelado por um quase "esquecido" Keanu Reeves, o longa revelou um dos mais novos "heróis" do cinema de ação, um personagem 'bad-ass' inserido numa trama sobre vingança e uma sociedade secreta de assassinos profissionais. Nos últimos anos, aliás, os populares "exércitos de um homem só" tem ganhado nova voz em Hollywood. Após uma fase mais realística, vide os sucessos da franquia Bourne, do recente 007 e da trilogia Cavaleiro das Trevas, os produtores têm dialogado cada vez mais com o escapismo da década de 1980, evidenciando o saturamento desta corrente mais "verossímil". Com a estreia de John Wick: Um Novo Dia Para Matar, neste Top 10 resolvi fazer uma lista com os Novos "Heróis" do Velho cinema de Ação. Como o próprio título diz, nesta matéria deixarei de fora os filmes inspirados em HQ's, os super-heróis de qualquer tipo e os personagens que tenham sido lançados antes de 2006. Afinal de contas, a intenção é mostrar como o gênero tem se reerguido na ultima década. Dito isso, começamos com...

10º Ray Owens - O Último Desafio (2013)


Estrela de clássicos como Conan (1982), O Exterminador do Futuro (1985), O Predador (1987) e O Vingador do Futuro (1990), Arnold Schwarzenegger voltou ao gênero que o consagrou no subestimado O Último Desafio. Após reprisar o seu papel em O Exterminador Do Futuro III  (2003) e roubar a cena em Os Mercenários 2 (2012), o 'governator' voltou ao flertar com os seus dias de glória ao dar vida ao xerifão Ray Owens. Conduzido pelo estiloso diretor Jee-woon Kim, do excelente O Gosto de Vingança (2005), o longa mistura ação e comédia ao narrar as desventuras de um pequeno grupo de despreparados policiais que se torna a última linha de defesa contra um perigoso chefão do crime organizado. Com excelentes sequências de ação, uma premissa envolvente e um implacável protagonista, O Último Desafio permite que Schwarzenegger mostre os motivos que o levaram a ser considerado um dos grandes astros da história do gênero. 

9º Bill Cage - No Limite do Amanhã (2014)


Astro da inesgotável franquia Missão Impossível e do genérico Jack Reacher, Tom Cruise se uniu ao diretor Doug Liman (A Identidade Bourne) no divertidíssimo No Limite do Amanhã. Numa mistura de Sci-Fi, com Ação e Games, o longa apresenta o esperto Bill Cage, um burocrata do exército que devido a sua impertinência é colocado no campo de batalha durante a última grande batalha contra uma tropa de alienígenas. Sem qualquer tipo de experiência, ele logo se torna alvo inimigo. Durante a luta, no entanto, Bill fica preso no tempo, tendo a oportunidade de reviver este mesmo dia incessantemente. Dono de um carisma natural, Cruise cria um protagonista humano e crescente, um homem obrigado a rever a sua estratégia a cada atitude equivocada. Um filme de ação com uma proposta diferente, mas que se sustenta numa estrutura inegavelmente popular. 

8º Eli - O Livro de Eli (2010)


Um dos astros mais versáteis de Hollywood, Denzel Washington emplacou uma série de excelentes filmes de ação nos últimos anos. Como não lembrar, por exemplo, do vigoroso Chamas da Vingança (2004), do tenso Incontrolável (2010) ou do recente O Protetor (2014). O nosso escolhido, porém, foi o subestimado O Livro de Eli. Conduzido com uma forte preocupação estética pelos irmãos Hughes, o longa nos apresentou ao misterioso Eli, um cavaleiro solitário em um devastado cenário pós-apocalítico. Em posse de um livro que poderia mudar a existência de um pequeno vilarejo de sobreviventes, ele entra em rota de colisão com o nefasto Carnegia (Gary Oldman), um tirano megalomaníaco que queria buscar no conteúdo da obra os ensinamentos necessários para construir uma nova sociedade. Com um visual estiloso, uma premissa instigante e elegantes sequências de ação, o longa entrega ainda um ótimo protagonista, um homem letal e justo disposto a tudo para conduzir o tão cobiçado livro em segurança. 

7º Hobbs - Velozes e Furiosos 5, 6 e 7 (2011, 2013, 2014)


Um dos trunfos da revitalização da franquia Velozes e Furiosos, o carismático Dwayne Johnson trouxe força bruta para a saga com o 'bad-ass' Hobbs. Introduzido no escapista Operação Rio (2011), o gigantesco policial surge como o nêmeses de Dominic Toretto, um homem determinado a parar a trupe de ladrões bem intencionados. Com o avançar da trama, porém, ele percebe estar no meio de algo maior, levantando dúvidas sobre quem era o seu verdadeiro alvo. Com uma extraordinária entrega física e uma afiada dose de humor, Johnson roubou a cena nos três longas, aproximando a série do escapista cinema de ação. Nos últimos meses, inclusive, foi noticiada uma possível rixa entre Vin Diesel e Dwayne Johnson, mas eu suspeito que isso possa fazer parte da campanha de marketing do próximo Velozes e Furiosos. 

6º John Wick - De Volta ao Jogo (2014)


Uma das grandes surpresas de 2014, De Volta ao Jogo deu a Keanu Reeves a oportunidade de voltar aos holofotes. Após uma série de trabalho pouco expressivos, o ator se tornou a escolha perfeita para viver John Wick, um ex-assassino profissional obrigado a voltar a pegar em uma arma após a morte de sua esposa. Com coreografias elaboradas e explosivas sequências de ação, os ex-dublês Chad Stahelski e David Leitch estrearam em Hollywood chutando a porta, nos brindando com um anti-herói 'badass' e uma película visualmente refinada. 

5º Django - Django Livre (2012)


Quentin Tarantino não poderia ficar de fora desta lista. Numa homenagem aos velhos faroestes, o cultuado realizador norte-americano nos brindou com Django Livre, uma releitura moderna e agressiva de um clássico do 'western spaghetti'. Fazendo um excelente uso da violência estilizada, Trantino apresentou o escravo Django (Jamie Foxx), um homem devastado em busca de vingança após ser separado do seu grande amor. Com uma pegada pop e recheada de estilo, o realizador transforma o protagonista num "herói" atual, uma figura resiliente, boa de mira e carismática que cria uma empatia quase que instantânea com o espectador. 

4º Rama - Operação Invasão (2011)


Da Indonésia chega o nosso quarto lugar, o "versátil" Rama do extraordinário Operação Invasão. Um dos melhores filmes de ação dos últimos anos, o longa dirigido por Gareth Evans é explosivo, uma obra caótica capaz de misturar o que melhor o gênero tem a oferecer. Com uma absurda entrega física e uma habilidade nata para as artes marciais, Iko Uwais escreveu seu nome como o implacável Rama, um policial honesto e determinado que deixa a sua esposa grávida para cumprir uma missão de busca e prisão em um prédio tomado pelo tráfico de drogas. O que era para ser uma incursão ágil e cirúrgica, no entanto, logo se torna um grande pesadelo, principalmente quando ele descobre que existia um delator dentro do seu esquadrão. Sob a batuta de Evans, Iko ganha a oportunidade de mostrar todo o seu talento, indo das sequencias de ação mais convencionais aos insanos embates físicos com vigor e elaboradas coreografias. Além disso, o seu personagem é sólido e interessante, uma figura bem desenvolvida pelo roteiro. Em suma, um baita filme que, inclusive, já ganhou uma continuação, o aclamado Operação Invasão 2 (2014).

3º Barney Ross - Os Mercenários (2010)


Um dos grandes pilares desta retomada do escapista cinema de ação, no entanto, foi Sylvester Stallone. Após resgatar as suas duas principais franquias em Rocky Balboa (2006) e Rambo IV (2008), o astro percebeu o desgaste da corrente séria e realista. Ao lado de alguns dos principais representantes do gênero, entre eles Jason Statham, Jet Li e Dolph Lundgreen, ele reuniu a essência do popular "exército de um homem só" no nostálgico Os Mercenários (2010). Além de dirigir o longa, Stallone deu vida ao protagonista Barney Ross, um mercenário experiente que se envolve com uma bela jovem e um tirano ditado latino americano. Reciclando o melhor da sua própria carreira, o astro de Cobra (1986) criou uma figura 'bad-ass' recheada de frases feitas, um "herói" que não faria feio diante de qualquer grande personagem da década de 1980. No embalo do divertido primeiro longa, a franquia ainda ganhou mais dois filmes: o excelente Os Mercenários 2 (2012) e o preguiçoso Os Mercenários 3 (2014). Nem mesmo o ótimo Mel Gibson, aliás, conseguiu impedir que o último título de franquia se tornasse uma grande decepção. 

2ª Furiosa - Mad Max: Estrada da Fúria (2015)


Se Os Mercenários reaproximou um gênero do seu passado glorioso, Mad Max: Estrada da Fúria revolucionou o cinema de ação. De volta ao produto que o consagrou, o veterano George Miller abalou as estruturas do segmento ao entregar uma verdadeira obra prima. Um longa esteticamente primoroso, 'old school' em sua essência, uma mistura de caos e vigor difícil de se traduzir em palavras. Agora, em meio tantos predicados, talvez o maior e mais corajoso deles esteja no protagonismo dado a Imperatriz Furiosa. Sem medo de se reinventar, Miller surpreendeu ao colocar Mad em segundo plano, dando a atriz Charlize Theron a chance de interpretar uma das heroínas mais imponentes da história do cinema. Uma personagem rara, puramente altruísta que rouba a cena num universo majoritariamente masculino. Que filme e que protagonista. 

1º Brian Mills - Busca Implacável (2008)


O primeiro lugar desta lista, no entanto, merece ir para Liam Neeson e o seu opressivo Brian Mills. No auge da trilogia Borne, o aclamado Luc Besson resolveu utilizar o melhor dos dois mundos. Num dos seus muitos trabalhos como produtor, o realizador francês resolveu surfar a onda do realismo defendido por Greengrass, Liman e Nolan, sem abdicar da essência escapista dos clássicos oitentistas. O resultado é Busca Implacável, um filmaço que transformou o ator irlandês no novo astro do cinema de ação. Dono de um talento raro, Neeson conquistou uma legião de fãs ao viver Brian Mils, um ex-agente aposentado que é obrigado a voltar a ativa quando a sua filha é raptada por um grupo de traficantes de jovens. Recheado de frases feitas e empolgantes sequências de luta, Busca Implacável se tornou um estrondoso sucesso de público e crítica, culminando em duas continuações bem menos inspiradas. Neeson, no entanto, continuou se destacando dentro do gênero, principalmente nos competentes A Perseguição (2011), Sem Escalas (2014) e Noite Sem Fim (2015). 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...