segunda-feira, 31 de outubro de 2016

A Colina Escarlate

Previsível, exagerado, mas - ainda assim - um filme com o padrão "Del Toro"

Dono de um virtuosismo estético fascinante, Guillermo Del Toro se afirmou em Hollywood ao misturar fantasia e realidade de maneira sempre particular. Com uma filmografia enxuta, mas  expressiva, o realizador mexicano é perito ao transitar entre os gêneros sem nunca abrir mão da sua assinatura, podendo ir do choque ao encantamento com improvável fluidez. Um predicado que, diga-se de passagem, pode ser percebido no instigante A Colina Escarlate. Longe dos seus melhores trabalhos, o suspense de horror estrelado pelo trio Mia Wasikowska,  Jessica Chastain e Tom Hiddleston poderia ser mais uma daquelas obras genéricas se não fosse a capacidade do realizador em construir uma atmosfera imersiva e peculiar. Apesar da previsibilidade do argumento e do exagero passional proposto pela trama, Del Toro exibe o seu reconhecido rigor técnico ao construir uma película visualmente soberba, um longa marcado pela fotografia estilosa, pelos engenhosos cenários e pela inventiva montagem. Narrativamente, porém, o filme patina e só alcança um patamar realmente satisfatório quando o realizador, ainda que tardiamente, resolve realçar a inusitada conexão sentimental entre os personagens. 


Sejamos francos, o argumento assinado por Mathew Robbins, ao lado do próprio Guillermo Del Toro, não se faz de rogado ao requentar uma série de fórmulas e conceitos já utilizados em outras icônicas produções do gênero. Não espere, portanto, grandes novidades ou mirabolantes reviravoltas. Aqui, Del Toro se contenta em dar uma embalagem autoral a uma história que obviamente já foi contada outras vezes. Dito isso, impulsionado pelos elegantes diálogos e pela categoria do realizador ao transitar entre os gêneros, A Colina Escarlate narra as desventuras da independente Edith (Wasikowska), uma aspirante a escritora que sonha em ver os seus textos publicados. Num acaso do destino, no entanto, ela se envolve com o misterioso Thomas (Hiddleston), um baronete inglês que desembarca nos EUA para tentar convencer o seu pai a investir num arriscado projeto. Carismático e sedutor, ele logo fisga a atenção da bela jovem, que passa a experimentar sentimentos até então impensáveis. Inebriada com esta repentina aproximação, Edith decide se casar e morar na decadente mansão do seu esposo. Não demora muito, porém, para ela se deparar com alguns inesperados problemas, principalmente na relação com a instável Lucille (Chastain), a possessiva irmã mais velha de Thomas.

Como de costume em sua carreira, Guillermo Del Toro não encontra problemas para construir a envolvente atmosfera de suspense. Mesmo com um roteiro tradicional em mãos, o realizador mexicano adiciona novos ingredientes a esta mistura ao flertar desde as primeiras cenas com o pano de fundo espiritual, aliando horror e fantasia ao introduzir a sensitiva Edith e a sua desventurada jornada. Através de expressivos enquadramentos e singulares sequências, Del Toro surpreende ao construir um primeiro ato mais lento, mais romântico, mas não menos ameaçador. Ainda que apressada, a aproximação entre Edith e Thomas soa natural, assim como a gradativa construção do perigo em torno desta relação. Numa sacada de mestre, aliás, o mexicano desfila o seu repertório de soluções estéticas ao desenvolver a montagem da película, ampliando a atmosfera de tensão ao apostar em criativos efeitos de transição de cena. Por diversas vezes, inclusive, além de prestar uma excelente homenagem aos primórdios do cinema, Del Toro utiliza os cortes e fades para realçar as intenções dos personagens à medida que a trama avança.


O grande problema de A Colina Escarlate, no entanto, está no previsível segundo ato. Apesar da atmosfera imersiva e do incrível trabalho da equipe de direção de arte, o desenrolar dos mistérios é preguiçoso e mais intenso do que assustador. Como se não bastassem os inexplicáveis problemas envolvendo a concepção das artificiais criaturas fantasmagóricas, que, desenvolvidas via CGI, contrastam com a fisicalidade da riquíssima mansão da colina, Del Toro não consegue encontrar o equilíbrio ideal entre a construção do suspense e o desenvolvimento dos seus personagens. Na ânsia de proteger os segredos em torno das reais intenções dos seus personagens, o realizador aposta exageradamente no poder da insinuação e se vê preso às fórmulas repetitivas. Ainda que os passeios de Edith pelos corredores do castelo rendam uma série de virtuosas sequências, as descobertas da protagonista se dão de maneira genérica e conveniente. Pra piorar, atrapalhada pelo roteiro, Mia Wasikowska não convence como uma mulher apavorada inserida num ambiente hostil. Indo da detetive espiritual à romântica fragilizada sem jogo de cintura, a talentosa atriz australiana faz o possível, mas não consegue tornar crível as repentinas mudanças de postura da sua personagem.


Quando tudo parecia perdido, no entanto, Del Toro mostra por que está entre os mais autorais de Hollywood. No embalo da soberba atuação de Jessica Chastain, o realizador mexicano finalmente resolve descortinar as motivações dos seus personagens e o resultado é tão brutal, quanto sentimental. A surpresa não está no encaixe das peças, nem tão pouco no desfecho propriamente dito, mas na maneira como ele resolve falar de amor sob um ponto de vista absolutamente peculiar. Indo de encontro à proposta sugestiva dos dois primeiros atos, Del Toro não poupa o espectador ao investir em sequências brutais e propositalmente exageradas, culminando num terço final denso e explosivo. Méritos que, logicamente, precisam ser divididos com a dupla Chastain\Hiddleston. Enquanto a primeira explode em cena com rara intensidade, o segundo absorve com inesperada sutileza as emoções do seu Thomas, nos fazendo enxergar a humanidade por trás desta figura naturalmente nebulosa. Melhor ainda, aliás, é o trabalho da equipe de direção de arte e fotografia. Fazendo um excelente uso dos efeitos práticos, Del Toro resolveu construir a engenhosa mansão dos irmãos Sharpe, uma opção que só adiciona peso e valor de produção à película. Sujos e envelhecidos, os aposentos do decadente castelo são vastos e se diferenciam entre si, tornando as incursões da curiosa Edith naturalmente instigantes aos olhos do público. Além disso, apesar da aparência gélida da região, o diretor de fotografia Dan Laustensen investe numa palheta de cores mais quente e vermelha, dialogando com a proposta mais 'gore' e passional defendida pelo longa.


Dito isso, A Colina Escarlate é um suspense com toques de horror e (pasmem vocês) romance que se garante muito no seu apelo visual, do que propriamente no seu conteúdo. Na verdade, Guillermo Del Toro compensa a previsibilidade da trama ao utilizar o seu reconhecido virtuosismo estético na construção da atmosfera, equilibrando beleza e brutalidade ao traduzir com inexplicável poesia os distorcidos sentimentos dos seus personagens e as consequências por trás desta complicada relação. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...