quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Cinemaniac Indica (Desencontro Perfeito)

Antes de qualquer coisa, eu preciso confessar que sou fã do carismático Simon Pegg. Reconhecido pela sua versatilidade e pelo afiado senso de humor, este britânico alcançou o estrelato se mostrando capaz de brilhar em diversificados projetos, seja numa ácida sátira de horror (Todo Mundo Quase Morto), seja numa poderosa franquia de ação (Missão: Impossível – Nação Secreta), seja numa cultuada aventura Sci-Fi (Star Trek: Sem Fronteiras) ou até mesmo numa despretensiosa comédia romântica. Como podemos perceber no revigorante (Des)Encontro Perfeito (2015), uma daquelas raras e gratificantes surpresas que vez ou outra passam despercebidas pelo radar do grande público. Dirigido por Ben Palmer (The Inbetweeners: O Filme), o longa brinca com alguns dos mais adocicados clichês do gênero ao acompanhar o desastrado primeiro encontro entre duas figuras completamente opostas. Com um texto ágil e perspicaz em mãos, o realizador surpreende ao tecer alguns irônicos comentários sobre a dinâmica dos relacionamentos atuais, criando um contexto no mínimo curioso para o entrosado casal interpretado pela dupla Simon Pegg e Lake Bell. 



Com humor tipicamente britânico, o argumento assinado por Tess Morris foge do lugar comum ao explorar os contrastes sentimentais envolvendo o casal de protagonistas. Apesar da vocação romântica, o roteiro é inteligente ao explorar a inabilidade dos dois no que diz respeito aos relacionamentos amorosos, presenteando o público com alguns inspirados diálogos. Sem querer revelar muito, a metáfora cinematográfica envolvendo o apetite sexual dos casais atuais é brilhante, uma sacada hilária e realmente sagaz. Na trama, abalada pelos seus últimos casos de amor, a cínica Nancy (Bell) não parecia mais disposta a iniciar novas relações. Durante a viagem para a celebração do aniversário de casamento dos seus queridos pais, ela conhece a jovem Jessica (Ophelia Lovibond), uma garota determinada que se dirigia para Londres para ter um encontro a cegas. Ao chegar lá, no entanto, Nancy é confundida pelo simpático Jack (Pegg), um quarentão aparentemente confiante que estava lá para conhecer Jéssica. Numa solução pouco comum, ela resolve dar uma chance para o novo par e passa a assumir a identidade da sua parceira de viagem. Inicialmente atraída por ele, Nancy logo percebe que se meteu numa grande furada, principalmente quando um velho conhecido surge para tentar atrapalhar os seus planos e a promissora relação com Jack.


Mesmo sem abrir mão dos clichês românticos, (Des)Encontro Amoroso cativa ao reproduzir com frescor os conflitos deste divertido casal. No melhor estilo "os opostos de atraem", o argumento esbanja ironia ao arquitetar a incompatível relação entre uma solteirona atrapalhada e um sentimental homem de meia idade. Não se engane, porém, com a aparente previsibilidade da trama. Numa sacada interessante, Ben Palmer opta por maquiar estas características inicialmente, simulando a dinâmica de um primeiro encontro ao esconder as principais falhas e fragilidades dos personagens. Ao longo do primeiro ato, inclusive, é possível perceber a proposital superficialidade no diálogo entre os dois, a carência de verdade, a idealização, elementos que vão sendo descortinados à medida que a sinceridade adentra esta relação. Na verdade, ainda que o estopim para esta virada seja um tanto quanto conveniente, a partir do segundo ato o argumento cresce em ironia e substância. Palmer é habilidoso ao introduzir os conflitos mais íntimos de Nancy e Jack, que pontuam a trama de maneira gradativa e naturalmente engraçada. É a partir destas diferenças sentimentais, aliás, que o realizador realça a crescente cumplicidade entre os dois, tornando crível o início desta inusitada história de amor. Méritos que, logicamente, precisam ser divididos com Simon Pegg e Lake Bell. Como se não bastasse a invejável química da dupla, o casal de protagonistas transita pelas nuances dos seus personagens com enorme naturalidade, em alguns momentos com acidez, absorvendo com irreverência dilemas completamente universais.


Contando ainda com um clímax positivamente açucarado, um desfecho apoteótico à altura das principais produções do gênero, (Des)Encontro Perfeito é uma película verborrágica que surpreende por sua energia, leveza e inteligência. Sem ter vergonha da sua essência romantizada, o longa revitaliza alguns clichês ao propor uma análise mais franca sobre as dificuldades em torno da "vida a dois", criando uma criativa história de amor ao acompanhar as discussões entre um romântico de carteirinha desiludido e uma mulher pragmática ressentida pelas suas últimas experiências amorosas. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...