sexta-feira, 30 de abril de 2010

Cinemaniac Indica (O Gabinete do Dr Caligari)

O que seria dos filmes de suspense se não existisse O Gabinete do Dr Caligari. Lançado no ano de 1919, o longa representou um dos primeiros lançamentos do famoso "Expressionismo Alemão", e hoje, mesmo 90 anos depois, se mostra atualizado e totalmente completo. Diferente de grande parte dos filmes lançados por este movimento, como os também clássicos Metropolis e Nosferatu, Caligari possui um ritmo frenético para o cinema mudo. Utilizado recursos nunca antes visto, Caligari deixou seu nome na história, graças a uma trama assustadora, efeitos vanguardista, e a toda criatividade e expressão características do expressionismo alemão.

Considerado o primeiro grande filme do gênero suspense, O Gabinete do Dr Caligari se tornou um dos grande marcos do cinema mudo. Dirigido por Robert Wiene, o longa representou um dos maiores avanços em técnicas cinematográficas até então. Criando uma estética até então inovadora no cinema, Wiene consegue criar um clima realmente assustador. Fugindo completamente do realismo, o diretor carrega nos cenários desconformes, nitidamente tortos e distorcidos, contribuindo para imprimir a sensação de loucura que o filme visa passar ao espectador. Com uma trilha sonora vibrante, que acompanha o ritmo intenso do filme, Wiene trabalha bem as caracterização dos personagens, e as suas interpretações, sempre exageradas e com bastante dramaticidade. Característica esta que, aliás, marcou o expressionismo alemão. Porém, apesar destes recursos saltarem aos olhos, são nos detalhes que Wiene mostra todo o seu pioneirismo.

Poucos podem ter reparado, mas este é talvez um dos primeiros filmes a usar a técnica do flashback. Comum no cinema atual, se mal utilizado - na época - este recurso poderia confundir o espectador. Mas na verdade, graças a este recurso, Wiene proporciona uma das maiores reviravoltas já realizadas no cinema, que em muito se assemelha a apresentada por Martin Scorsese, em A Ilha do Medo. Além deste recurso, Wiene usa e abusa dos closes e detalhes, recursos na época não eram muito utilizados. Com cortes rápidos para aquele período, o diretor explora de maneira brilhante todos os personagens e as suas expressões. Outro detalhe muito interessante, talvez um dos mais impressionantes, fica pela utilização das luzes em um filme preto e branco. Para a criar a sensação de dia, o diretor carrega na iluminação, passando para a projeção uma pigmentação mais amarelada. Já na noite, explorando muito bem a utilização das sombras, a opção é uma iluminação mais leve, que projeta uma cor mais azulada a tela, facilitando a compreensão temporal do filme.

Por falar em sombra, uma das cenas mais geniais do filme se utiliza de maneira sublime deste recurso. Se você acha Alfred Hitchcock um gênio pela cena do assassinato em Psicose, é porque não viu - ainda - O Gabinete do Dr Caligari. Com bem menos recursos que o mestre do suspense, Wiene nos brinda com uma cena brilhante, quando mostra o assassinato de um homem através da sombra. O resultado é realmente impactante, e até os dias de hoje serve de inspiração para muitos grandes diretores.

Além de todos estes pioneiros recursos, o longa ainda conta com uma trama realmente assustadora. Narrada em flashback, a história se passa em um pequeno vilarejo da fronteira holandesa. Somos então apresentados ao misterioso hipnotizador Dr. Caligari (interpretação magnífica de Wenner Krauss), que acompanhado do sonâmbulo Cesare (Conrad Veidit) monta uma apresentação circense no local. Prometendo mostrar o futuro para as pessoas, através das previsões do sonâmbulo, o espetáculo faz sucesso. Porém, após a chegada da dupla, misteriosos assassinatos começam a acontecer no vilarejo, fazendo com que o jovem Francis (ótima atuação de Friedrich Feher) comece a tentar prender o responsável pela morte de seu melhor amigo.

Com uma narrativa brilhante, uma trama intensa, e recursos que deixam os fãs da sétima arte abismados, O Gabinete do Dr Caligari representou como ninguém um dos grande movimentos do cinema. Além disto, é considerado por muitos um dos primeiros, e por que não melhores, filmes de suspense/terror já realizados em toda história. Ou seja, se Alfred Hitchcock foi o grande Mestre do Suspense, posso dizer que Robert Wiene foi o grande percursor. Não deixem de assistir esta grande obra prima do cinema mudo.

Por que Assistir ?

- Pelo pioneirismo apresentado ao longo de todo o filme.
- Pela excelente e surpreendente trama, com uma das maiores reviravoltas já realizadas.
- Por ser um dos grandes filmes do expressionismo alemão, movimento que até hoje serve de inspiração para grande diretores.

7 comentários:

Mateus, O Indolente disse...

Ótima dica! O Gabinete do Dr. Galigari é um marco do cinema. Triste é a dificuldade em achar uma cópia em DVD (ou em qualquer outra mídia).

Sem falar que o filme possui várias versões. A que vi possuia 50 minutos, mas sei que existe outra com 80 minutos.

Abraço.

thicarvalho disse...

Matheu a que eu vi foi a de 80 minutos, mas já vi a de 50 tb e a diferença não é mto grande. Recentemente vi o filme no telecine cult, mas sei q no youtube tb se acha. Fica a dica. Grande abraço e valeu pela visita.

Amanda Aouad disse...

Com certeza o marco do Expressionismo Alemão. Vi na sala de aula mesmo, hehe, a versão de 80 minutos. Muito boa lembrança.

Ah, tem um selo para você no CinePipocaCult.

Jenifer Torres disse...

Que lembrança maravilhosa. Parabéns!
http://dicaselistas.blogspot.com

Jardel Nunes disse...

Realmente, achar esses filmes em locadoras é uma difilculdade enorme. Até Norferatu (que ao meu ver, é mais famoso que Caligari)eu só vi numa locadora até hoje.
Uma ótima dica.

Amanda Aouad disse...

Thiago, para "pegar" o selo, é só salvar a imagem dele lá do meu blog e subir aqui, além disso, copiar as regras, dizer quem lhe indicou e indicar outros blogs para receber o selo também...

bjs

thicarvalho disse...

Amanda mto obrigado pelo selo, e pela explicação. Como falei em seu blog, receber uma lembrança do cinepipoca é algo mto prazeroso para mim. Grande abraço.

Valeu pela visita Jeniffer !!!!!

Realmente Jarde é praticamente impossível. Acho q o melhor canal para assistir a estes filmes é o telecine cult. Hj, por exemplo, passou Metropolis, outro clássico do expresionismo alemão. Qnt a Nosferatu, concordo q seja o filme mais famoso, mas ainda acho Caligari melhor. Na minha opinão, o melhor Nosferatu ainda é a versão de Wersog. Grande abraço Jardel.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...