sábado, 21 de janeiro de 2017

Top 10 (Novos Musicais do Cinema)


Antes mesmo de chegar aos cinemas, La La Land: Cantando Estações (leia a nossa opinião aqui) já vinha causando um grande burburinho junto aos fãs da sétima arte. Com dois dos mais talentosos astros da nova geração, o longa dirigido pelo prodígio Damien Chazelle alcançou um novo patamar ao fazer história no Globo de Ouro 2017, quebrando todos os recordes ao conquistar sete prêmios, entre eles os de Melhor Filme em Comédia ou Musical, Diretor, Ator em Comédia ou Musical e Atriz em Comédia ou Musical. O fato é que, mesmo diante de tamanha expectativa, La La Land se afirma como um clássico instantâneo. Um musical moderno e visualmente vigoroso que faz jus a esta eufórica recepção. Dito isso, com a estreia do extraordinário La La Land, neste Top 10 decidi fazer uma lista com os novos musicais do cinema. Inspirado por clássicos como O Mágico de Oz, Cantando na Chuva, Sinfonia em Paris, Rocky Horror Picture Show e O Rei Leão, nesta lista irei reunir alguns dos melhores longas do gênero lançados após o ano de 2001. Desta forma, começamos com...  

10º Across The Universe (2007)


Fazendo uma excelente releitura de alguns dos maiores clássicos dos Beatles, Across The Universe é um musical indispensável para os fãs desta clássica banda. Estrelado pela dupla Jim Sturgess e Evan Rachel Wood, o longa dirigido por Julie Taymor (Frida) nos brinda com uma cativante história de amor envolvendo uma americana de família rica e um pobre rapaz inglês. Guiado pelos principais hits do grupo, Across The Universe é perspicaz ao transitar pelas diversas fases da banda, que se refletem diretamente no teor do longa. Num todo, aliás, Taymor mostra categoria ao reproduzir alguns dos mais marcantes episódios das décadas de 1970 e 1980, situações que ficam impactantes quando embaladas por sucessos do quilate de "Imagine", "Let it Be", "Come Togheter", "Oh! Darling" e "All You Need is Love".

9º Ritmo de um Sonho (2005)


Do rock para o Rap, Ritmo de um Sonho é um filmaço que não poder passar despercebido. Com Terrence Howard e Taraji P. Henson estupendos em cena, o longa dirigido por Craig Brewer é vigoroso ao narrar a jornada de um cafetão em busca do sucesso no concorrido mundo da música. Vencedor do Oscar de Melhor Canção Original com o hit "It's Hard Out Here for a Pimp", o filme traduz dentro de um contexto visceral a rotina dos "marginalizados" da música, fascinando ao reproduzir os bastidores da produção das excelentes canções apresentadas durante o longa. O resultado é um drama pulsante que explode num excelente último ato.

8º Moulin Rouge (2001)


Talvez o grande responsável pelo retorno dos musicais cinematográficos ao 'mainstream', Moulin Rouge modernizou o gênero ao investir numa extravagante pegada pop. Com Ewan McGregor e Nicole Kidman vivendo uma daquelas histórias de amor impossíveis, o virtuoso diretor Baz Luhrman nos brindou com um espetáculo exótico e vibrante, uma película envolvente recheada de versões de clássicos de Elton John, Queen e Madonna. Além disso, os empolgantes números musicais também apresentaram algumas excelentes canções originais, entre elas a ótima 'Come What May', que ganhou uma versão imponente nas vozes dos dois protagonistas. Na verdade, o grande mérito de Moulin Rouge foi mostrar que o gênero musical poderia ser acessível ao grande público, um fator que parecia adormecido desde a Era de Ouro de Hollywood.

6º Love And Mercy (2014)


Confesso que este entrou na lista na minha última apuração. Na verdade, cheguei a ficar em dúvida se este longa deveria estar lista, já que não se trata propriamente de um musical tradicional. Na hora de preparar este Top 10, porém, lembrei que o longa se preocupa em trazer apresentações completas, um fato que na minha visão já o qualificaria como musical. Portanto, merece estar na lista. Dito isso, Love and Mercy (leia a nossa opinião aqui) é a excelente cinebiografia musical do cantor Brian Wilson, a grande mente por trás dos icônicos Beach Boys. Apesar das canções ensolaradas desta clássica banda norte-americana, o vocalista sofria de assustadores transtornos emocionais, um tema que é brilhantemente investigado no intimista drama dirigido por Bill Pohlad. Estrelado por Paul Dano e John Cusack, o longa fascina ao reproduzir também os bastidores da produção do cultuado álbum Pet Sounds, nos brindando com sequências musicais realmente fantásticas. Entre elas o solo de piano da clássica 'God Only Knows'. Um filme que não deveria cair no esquecimento.

5º Os Miseráveis (2012)


Um musical com pedigree, Os Miseráveis é um espetáculo em formato de filme. Embora seja um trabalho mais tradicional, o longa dirigido por Tom Hooper explorou os limites máximos do gênero ao nos brindar com números musicais gravados ao vivo, sem o uso de playback ou interferências digitais. Com um elenco talentoso, atuações intensas e um visual grandioso, Os Miseráveis deu uma nova vida a este clássico musical, capturando o clima de revolução presente na obra original. Impulsionado pela estupenda atuação de Anne Hathaway, que deu uma arrepiante versão a icônica "I Dreamed a Dream", Os Miseráveis é um musical imponente e engenhoso que soube explorar o melhor que a Broadway e o mundo mágico do Cinema poderiam oferecer.

4º Frozen: Uma Aventura Congelante (2014) e Moana: Um Mar de Aventuras (2017)


Falar de musicais e não citar a Disney seria um equívoco irreparável. Após a fusão com a Pixar Animations, o estúdio tem passado por uma nova retomada, nos brindando com animações cada vez mais fieis ao seu passado. E, duas delas, merecem não só estar nesta lista, como também entre os melhores trabalhos da Disney. O primeiro é o popular Frozen (leia a nossa opinião aqui), um musical que resgatou uma clássica estrutura que havia sido deixada para trás em longas como A Bela e a Fera e A Pequena Sereia. No embalo do hit "Let It Go", o longa adicionou um novo tempero ao gênero ao se esquivar dos clichês das princesas Disney, flertando com elementos inovadores ao explorar o amor sob um prisma mais fraternal. Com canções cativantes, um visual expressivo e uma premissa naturalmente encantadora, Frozen representou a volta das animações Disney aos holofotes, um estrondoso sucesso comercial que mostrou a força adormecida de uma tradicional companhia.


Foi com Moana (leia a nossa opinião aqui), porém, que a Disney Animations voltou a entregar uma obra com o nível de qualidade que eu cresci assistindo na década de 1990. Com um visual estonteante, um argumento encantador e extraordinários números musicais, o longa dirigido pela dupla Ron Clements e John Musker abraçou a diversidade ao apresentar a protagonista feminina que o gênero precisava, uma jovem indomável e obstinada que resolve encarar os perigos do mundo exterior em busca dos seus sonhos. Fazendo um excelente uso da rica cultura polinésia, a película apresenta ainda uma trilha recheada de ótimas canções, culminando na extraordinária "How Far I'll Go", uma música à altura das tradições Disney. O resultado é uma obra completa, um musical moderno e fascinante.

4º Apenas uma Vez (2006) e Sing Street: Música e Sonhos (2016)


Um dos poucos expoentes do gênero na última década, o irlandês John Carney emplacou dois belos trabalhos nesta concorrida lista. A grande surpresa do Oscar 2007, Apenas uma Vez levou uma estatueta para casa na categoria Melhor Canção Original, graças a excelente "Falling Slowly". Com uma pegada 'indie' e uma excepcional trilha sonora, o agridoce romance musical utilizou o bucólico cenário irlandês para narrar a história de amor e amizade entre um virtuoso músico de rua (Glen Hansard) e uma talentosa pianista imigrante (Markéta Irglová). Sob um prisma intimista, Carney atraiu os holofotes ao entregar uma espécie moderna de conto de fadas, uma película revigorante recheada de paixão e excelentes números musicais. Com o sucesso do seu primeiro filme, aliás, o diretor "debutou" em Hollywood com o igualmente impecável Mesmo se Nada der Certo (2014), uma história de amor cujo pano de fundo foi a corrosiva indústria da música pop.


Foi na sua volta para casa, porém, que o realizador nos brindou com o outro integrante desta lista. Dialogando com os anseios da sua própria geração, Sing Street (leia a nossa opinião aqui) é uma pérola que merece ser descoberta. Acompanhando a rotina de um jovem fã de música pop que decide formar uma banda para conquistar a atenção de uma bela garota, o longa surpreende ao se voltar para temas mais densos, entre eles o conservadorismo cultural, a frustração daqueles que não abraçam as suas oportunidades e os árduos obstáculos enfrentados pelos mais sonhadores. E isso dentro de um contexto universal e otimista. Além disso, Carney nos convida para um fascinante passeio pelo 'brit pop' oitentista, uma vertente musical que molda o comportamento, o estilo e vocação sonora dos protagonistas. Vide o excelente clipe "artesanal" da ótima "Riddle of The Model". Em suma, Sing Street é uma experiência única, um filme despretensioso e libertador que não deve passar despercebido.

3º Hedwig: Rock Amor e Traição (2001)


Muito mais do que um simples musical, Hedwig: Rock, Amor e Traição (leia a nossa opinião aqui) é um verdadeiro espetáculo de Rock 'n' Roll. Profundo, irreverente e vibrante, o longa dirigido, escrito e estrelado por John Cameron Mitchell envolve ao apresentar a instigante jornada de um roqueiro transexual. Recheado de memoráveis e reveladores números musicais, com destaque para as apresentações das canções "Midnight Radio", "Origin of Love" e "Tear me Down", Mitchell esbanja virtuosismo ao investigar a história deste incrível personagem, adotando uma colorida estética surreal (quase lisérgica) ao dialogar com situações naturalmente espinhosas. Conduzido com bom gosto e dignidade, Hedwig dá voz aos simbolismos ao narrar as passagens mais pesadas da vida da protagonista, apostando em sensíveis e inventivas metáforas ao passar por temas como a descoberta sexual, a busca pela identidade e os preconceitos enfrentados por esta magnética rock star. Um filmaço.

2º La La Land: Cantando Estações (2017)


Revigorante, puro e absolutamente apaixonante, La La Land (leia a nossa opinião aqui) é, na falta de uma definição melhor, um clássico instantâneo. Com dois dos mais virtuosos astros da nova geração em mãos, o versátil Ryan Gosling e a radiante Emma Stone, o prodígio Damien Chazzele revisita uma fase áurea de Hollywood sob um prisma moderno e urbano, resgatando a magia dos clássicos musicais ao nos brindar com uma obra estética e narrativamente triunfante. Indo de encontro ao seu imponente último trabalho, o intenso e sufocante Whiplash: Em Busca da Perfeição (leia a nossa opinião aqui), o jovem realizador esbanja doçura ao narrar a fascinante jornada de dois sonhadores, traduzindo os altos e baixos desta realista relação dentro de um contexto único, otimista e genuinamente universal. Em suma, La La Land é uma obra preciosa, um longa encantador guiado pela sua inebriante trilha sonora, vide a agridoce "City of Stars", pela refinada direção e pelo magnetismo do casal de protagonistas.

1º Inside Llewyn Davis: A Balada de um Homem Comum (2013)


Esnobado das principais categorias do Oscar 2014, Inside Llewyn Davis: A Balada de um Homem Comum (leia a nossa opinião aqui) é um típico trabalho com a assinatura dos criativos Joel e Ethan Coen. Sem a preocupação de contar uma história com início, meio e fim, a dupla responsável por sucessos como Onde os Fracos Não tem Vez, Fargo: Uma Comédia de Erros e Bravura Indômita encontra no concorrido cenário da música folk nos anos sessenta um caminho perfeito para construir uma trama recheada de humor negro e melancolia. Contando com a estupenda atuação de Oscar Isaac, que brilha ao emprestar a sua voz para as profundas e entristecidas canções (veja aqui), o longa comove ao narrar as desventuras de um obstinado "vira lata" da música à procura da sua improvável grande jornada. Um filme marcante, recheado de inteligentes simbolismos, que só adicionam mais substância a este refinado musical.

Merecem Destaque

- Dreamgirls (2006)


Beyoncé, Jennifer Hudson e Jamie Foxx ditam o tom deste drama musical levemente inspirado na trajetória de algumas artistas da icônica gravadora Motown.

- Chicago (2002)


Um musical à moda antiga, Chicago fascina graças aos seus empolgantes números musicais e o talentoso elenco feminino. Além disso, o longa dirigido por Rob Marshall se tornou o último musical vencedor do Oscar de Melhor Filme.

- Encantada (2007)


Com uma Amy Adams ainda se afirmando em Hollywood, Encantada é um musical da Disney que merece uma segunda chance. Embora se mantenha fiel às mais enraizadas fórmulas das produções Disney, o longa dirigido por Kevin Lima foge do lugar comum ao misturar animação e 'live action', uma combinação original que só valoriza o trabalho do entrosado e talentoso elenco.

- Hairspray: Em Busca da Fama (2007)


Trazendo uma poderosa mensagem igualitária e de respeito às diferenças, Hairspray por muito pouco no entrou neste Top 10. Com cativantes números musicais, um afiado elenco e a hilária performance da dupla Christopher Walken e John Travolta, Hairspray conta ainda com ótimas canções, um sopro de originalidade numa época em que o gênero havia sido tomado pelo fútil e comercialmente bem sucedido High School Music (2006)

Siga o Cinemaniac no Facebook, no Twitter e fique por dentro das últimas novidades cinematográficas. 

2 comentários:

Joaquim disse...

Fantasma da Ópera! Oxi!

thicarvalho disse...

Joaquim, acho um filme problemático. Um musical datado, embora tenha ótimas sequências. Abs e valeu pela visita.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...