quinta-feira, 23 de junho de 2016

Independence Day e as Invasões Alienígenas mais icônicas do Cinema


Lançado em julho de 1996, Independence Day se tornou um daqueles fenômenos que vez ou outra brota em Hollywood. Colocando a raça humana diante de uma gigantesca ameaça extraterrestre, a película impressionou ao apresentar efeitos especiais absolutamente realísticos, tornando a invasão alienígena naturalmente ameaçadora aos olhos do público. O resultado não podia ser outro. Sucesso ao redor do mundo, o Sci-Fi de ação faturou expressivos U$ 817 milhões ao redor do mundo, sendo US$ 306 milhões somente nos EUA, comprovando a capacidade do diretor Rolland Emmerich em destruir o planeta Terra das mais variadas formas possíveis. Eis que vinte anos depois, após congelar o mundo em O Dia depois do Amanhã (2004) e devastar a vida na Terra em 2012 (2012), o realizador retorna ao universo que o consagrou em Independence Day: O Ressurgimento (confira a nossa opinião). Aproveitando a estreia deste grandioso blockbuster, nesta matéria especial iremos reunir algumas das mais icônicas e hostis invasões alienígenas dos cinemas. Desta forma, os amistosos O Homem que Caiu na Terra (1967), Contatos Imediatos do Terceiro Grau (1977), E.T: O Extraterrestre (1982), O Milagre Veio do Espaço (1987), O Gigante de Ferro (1999) e o recente Paul: O Alien Fugitivo (2011) não estarão presentes na lista. Dito isso, em ordem cronológica, começamos com...


- O Dia em que a Terra Parou (1951)



Trazendo uma forte mensagem pacifista, O Dia em que a Terra Parou representou um marco dentro do gênero. Dirigido por Robert Wise, o longa colocou em cheque a Guerra Fria e a corrida armamentista ao acompanhar a missão do alienígena Klaatu e do seu destruidor robô Gort. Após aterrizarem no planeta Terra, os dois prometem destruir o mundo caso os políticos no coloquem um ponto final nas guerras e na violência. Perseguido pelo exército norte-americano, Klaatu resolve se infiltrar os humanos para compreender o nosso comportamento, numa tentativa de evitar a destruição da Terra. Estrelado por Michael Rennie e Patricia Neal, O Dia em que a Terra Parou se tornou uma das mais icônicas produções do gênero e referência dentro da cultura pop, o que culminou numa sequência genérica estrelada por Keanu Reeves em 2008. 

- Vampiros de Almas (1956)



No auge da paranoia comunista, o diretor Don Siegel causou arrepios nos fãs do gênero no angustiante Vampiros de Almas. Apesar do genérico título brasileiro, o suspense é sagaz ao utilizar este pano de fundo Sci-Fi em prol de uma interessante crítica política, numa trama instigante e absolutamente tensa. Estrelado por Kevin McCarthy, o longa acompanha as desventuras do Dr. Miles Bennell, um médico que, após um período fora da sua cidade, se depara com uma série de misteriosos casos envolvendo distúrbios de personalidade. Incrédulo num primeiro momento, o médico passa a desconfiar de tudo e de todos no momentos em que descobre que está diante de uma invasão alienígena e que os extraterrestres estão assumindo as identidades dos moradores da região. Apesar da estética envelhecida, Vampiros de Almas se tornou um verdadeiro clássico do gênero mesmo sem apelar para criaturas assustadoras e efeitos visuais. Além disso, o longa inspirou uma série de refilmagens, entre elas o elogiado Invasores de Corpos (1978), Os Invasores de Corpo:  A Invasão Continua (1993) e o mais recente Os Invasores (2007). 

- Plano 9 do Espaço Sideral (1959)



Três anos mais tarde, mais precisamente em 1959, o irreverente diretor Ed Wood transformou Plano 9 do Espaço Sideral num dos maiores clássicos do cinema trash. Com efeitos práticos risíveis e a presença do icônico Bela Lugosi no elenco, o realizador norte-americano investiu num enredo absolutamente nonsense ao narrar os planos de um grupo de invasores do espaço que resolve dar vida aos mortos para impedir que os humanos destruam o sistema solar. Recheado de sequências impagáveis, daquelas que de tão ruins acabam ficando boas, Plano 9 do Espaço Sideral se tornou um inesperado hit cult nas décadas de 1980 e 1990. As filmagens deste inusitado Sci-Fi, aliás, se tornaram o pano de fundo para o indispensável Ed Wood (1994), cinebiografia dirigida por Tim Burton inspirada na vida deste incompreendido realizador. 

- O Enigma de Outro Mundo (1982)




Algumas décadas depois, John Carpenter resgatou o medo do desconhecido no cultuado O Enigma de Outro Mundo. Recheado de assustadores efeitos práticos, o longa estrelado por Kurt Russel acompanha as desventuras da equipe de uma estação polar científica americana diante de uma perigosa ameaça extraterrestre. Um ser alienígena capaz de simular qualquer tipo de forma de vida. Apesar dos incríveis efeitos visuais e do visual 'gore', O Enigma de Outro Mundo se tornou um fracasso de público na época do seu lançamento. Pouco tempo depois, no entanto, o filme foi redescoberto pelo mercado Home Video, se tornando um dos trabalhos mais cultuados deste mestre do cinema de terror. Ao contrário dos títulos citados acima, aliás, The Thing (no original) é o remake que deu certo, já que o longa buscou inspiração no cinquentista A Ameaça do Ártico (1951). 

- O Predador (1987)




Estrelado pelo astro do cinema de ação Arnold Schwarzenegger, O Predador se tornou um inesperado sucesso de público ao apresentar o confronto entre um pelotão do exército norte-americano e um letal invasor do espaço. Recheado de intensas sequências de ação, o longa dirigido por John McTiernan faturou expressivos US$ 59 milhões somente nos EUA, o que culminou numa oscilante franquia. Após o interessante O Predador: A Caçada Continua (1990), o personagem alienígena foi "redescoberto" nos anos 2000, protagonizando os dispensáveis Alien Vs Predador (2004) e Aliens Vs Predador 2 (2007), além do genérico remake Predadores (2010). 

- Eles Vivem (1988)



Novamente sob a batuta de John Carpenter, Eles Vivem se revelou um remake mais escrachado do cultuado Vampiros de Alma. Assim como o clássico de 1956, o longa estrelado por Roddy Piper e Keith David carrega consigo uma evidente crítica social, voltando a sua mira para consumista sociedade oitentista ao questionar o modo de vida naquele período. Na trama, após uma ação repressiva da policia, um pacato operário acaba encontrando um misterioso óculos de sol abandonado na rua. Ao utiliza-lo, no entanto, ele passa a enxergar criatura monstruosas, alienígenas que se apossaram de corpos humanos na tentativa de se infiltrar na nossa sociedade. Inventivo e irreverente, Eles Vivem se revela ainda hoje uma película ácida e bem resolvida. Um filme essencialmente oitentista. Que década f#%@... 

- Independence Day (1996)



Eis que chegamos a estrela da turma, o estrondoso Independence Day. Sob a batuta do alemão Rolland Emerich, o longa estrelado por Will Smith e Jeff Goldblum "reinaugurou" o período dos filmes catástrofes, uma época marcada por lançamentos do porte de Volcano: A Fúria (1997), Impacto Profundo (1998) e Armagedom (1998). Ao contrário dos filmes citados acima, Indpendence Day aumentou a escala de desastre ao acompanhar a invasão de um grupo de extraterrestres em pleno 4 de Julho. Apesar das dispensáveis patriotadas, o diretor alemão construíu um blockbuster absolutamente divertido, recheado de sequências espetaculares, tornando a invasão alienígena realmente ameaçadora aos olhos do público. Na verdade, mesmo incrementado pelos impressionantes efeitos especiais, Emmerich em nenhum momento abdica do fator humano, permitindo que o espectador crie um vínculo com os personagens e com os heróis mais improváveis. Em suma, um dos maiores sucessos de público da década de 1990, Independence Day volta as telonas numa época em que Hollywood parece carente de idéias minimamente originais. 

- Marte Ataca (1996)



Numa sátira envolvendo as invasões alienígenas, Marte Ataca! fechou o ano de 1996 mostrando que os extraterrestres também podem ser criaturar extremamente engraçadas. Dirigido pelo criativo Tim Burton, o longa acompanha a invasão de um grupo de marcianos dispostos a transformar o planeta Terra no seu parque de diversões. Trazendo no elenco um timaço de primeiro nível, capitaneado por nomes do porte de Jack Nicholson, Glenn Close, Pierce Brosnan, Natalie Portman, Michael J. Fox e Annette Bening, a comédia de humor negro ultrapassou a barreira dos US$ 100 milhões ao redor do mundo, comprovando a popularidade de Burton e a sua afiada veia cômica. 

- MIB: Homens de Preto (1997)



Um dos mais divertidos filmes desta lista, MIB: Homens de Preto é uma comédia de ação de altíssimo nível. Impulsionado pelo espetacular trabalho de maquiagem de Rick Baker, o longa dirigido por Barry Sonnenfeld nos apresentou a um cenário onde humanos e alienígenas coexistiam de maneira geralmente pacífica. Nesta realidade, a organização Homens de Preto (Men in Black no original) era uma espécie de policia intergalática, uma agência secreta que protegia a Terra dos alienígenas mais hostis. Na trama, após perseguir uma alien sem saber, o policial James (Will Smith) é recrutado por esta organização para impedir que uma ameaçadora criatura tome posse de um artefato capaz de destruir todo o universo. No melhor estilo "good cop\bad coop", Smith e Tommy Lee Jones formam uma parceria absolutamente hilária, se tornando um dos muitos pontos altos deste impagável blockbuster. Com orçamento de US$ 90 milhões, MIB faturou US$ 589 milhões ao redor do mundo, rendendo duas outras divertidas sequências em 2002 e 2012. 

- Sinais (2002)




Após os misteriosos O Sexto Sentido (1999) e O Corpo Fechado (2000), o autoral M. Night Shyamalan resolveu abraça o Sci-Fi no envolvente Sinais. Embalado por uma instigante premissa, o longa estrelado por Mel Gibson acompanha as desventuras de um pastor que perdeu a fé atormentado pela aparição de misteriosos símbolos em suas plantações. Intenso e surpreendente, Sinais mostrou a invasão alienígena sob um ponto de vista mais contido, se tornando um sucesso de crítica e público ao faturar US$ 408 milhões ao redor do mundo. 

- Guerra dos Mundos (2005)




O hit do gênero na primeira década do século XXI, no entanto, acabou sendo mesmo o reflexivo Guerra dos Mundos. Numa adaptação livre do romance de H.G Wells, o longa estrelado por Tom Cruise e Dakota Fanning colocou uma disfuncional família norte-americana diante de um gigantesca invasão alienígena. Apesar dos expressivos efeitos visuais e da vocação blockbuster da película, Spielberg conseguiu encontrar tempo para propor uma interessante crítica ambiental, principalmente dentro do grandioso clímax. Além disso, a sensação de paranoia é bem utilizada ao longo da trama, culminando num segundo ato mais intenso e intimista. Bem recebido ao redor mundo, Guerra dos Mundos faturou US$ 591 milhões e se tornou uma das maiores bilheterias do ano de 2015. Remake do filme b A Guerra dos Mundos (1953)

- Cloverfield: O Monstro (2008)



Impulsionado pela enigmática campanha de marketing, Cloverfield - O Monstro utilizou a febre do 'found foutage' para construir um filme catástrofe intenso e bem dirigido. Com uma câmera nervosa em mãos, o diretor Matt Reeves constrói uma atmosfera naturalmente tensa ao acompanhar as desventuras de um grupo de amigos diante de um inesperado ataque alienígena. Narrativamente ágil e enxuto, Cloverfield - O Monstro se tornou um dos filmes mais comentados de 2008, principalmente pelo visual sombrio e pelo cuidado do realizador ao construir sequências incomodas. Com orçamento de US$ 25 milhões, Cloverfield faturou US$ 170 milhões ao redor do mundo. Além disso, o longa acabou rendendo o fantástico Rua Cloverfield 10, uma espécie de derivado inteligente e completamente conectado ao universo de tensão apresentado no original. 

- Distrito 9 (2009)




Enquanto Guerra dos Mundos se tornou o grande sucesso comercial deste período, da África do Sul nascia um dos mais criativos filmes da década: o poderoso Distrito 9. Com um baixo orçamento em mãos, Neil Blomkamp abalou as estruturas de Hollywood ao entregar um Sci-Fi crítico, incisivo e tecnicamente virtuoso. Impulsionado pelos efeitos visuais absolutamente primorosos, o realizador investiu num simulado tom documental ao nos apresentar a uma África do Sul invadida por alienígenas. Segregados pela população local, os aliens viviam em pequenos guetos, isolados da sociedade. Neste cenário, um funcionário de uma multinacional militar fica com a missão de despejar os extraterrestres desta "comunidade". Durante uma das incursões, no entanto, a situação sai do controle quando ele entra em contato com um fluído alienígena, se tornando alvo da própria organização para quem trabalhava. Contando com a estupenda atuação de Sharlto Coopley, Distrito 9 funciona seja como um instigante thriller de ação, seja com uma forte crítica social envolvendo a segregação racial e a xenofobia. Sucesso nas redes sociais, Distrito 9 faturou expressivos US$ 210 milhões ao redor do mundo. Além disso, o longa conquistou quatro indicações ao Oscar, incluindo a disputa na categoria Melhor Filme do Ano. 

- Monstros (2010)




Um filme de invasão alienígena de baixo orçamento, Monstros colocou o nome do diretor Gareth Edwards no mapa de Hollywood. Mesmo com um orçamento limitados em mãos, o realizador abraçou o Sci-Fi ao construir uma premissa envolvente e recheada de inventivos efeitos visuais. Na trama, após voltar do espaço, um sonda espacial cai no planeta Terra trazendo consigo formas de vida alienígena. Alvo deste artefato, uma região do México é obrigada a ficar em quarentena, impedindo que os moradores e os visitantes pudessem deixar o país. Entre elas a filha (Whitney Able) de um figurão norte-americano que, na ânsia de resgatar a sua filha, contrata os serviços de um fotojornalista (Scoot McNairy) para escolta-la em solo estrangeiro. Logicamente os planos não saem como o esperado e os dois terão que enfrentar gigantescas ameaças para deixar este inóspito local. Pouco conhecido do grande público, Monstros é uma ótima pedida para quem curte os gênero. 

- Ataque ao Prédio (2011)



Num projeto com a cara dos anos 1980, Ataque ao Prédio é uma divertida aventura com toques Sci-Fi. No melhor estilo Os Garotos Perdidos (1987) e Deu a Louca nos Monstros (1987), o longa dirigido por Joe Cornish colocou uma turma de trombadinhas ingleses como a nossa primeira linha de defesa diante de uma perigosa ameaça alienígena. Responsável por apresentar o talentoso John Boyega, um dos protagonistas de Star Wars: O Despertar da Força, o longa equilibra comédia e ação de maneira eficaz, com direito a efeitos visuais inventivos e a criaturas peludas curiosamente ameaçadoras. Uma das gratas surpresas de 2011. 

- Super 8 (2011)



Um dos produtores do enigmático Cloverfield, J.J Abrams resolveu colocar a mão na massa no incrível Super 8. Com uma campanha de marketing completamente misteriosa, o realizador escondeu como poucos os segredos da película, nos brindando com um Sci-Fi aventureiro e naturalmente surpreendente. Na trama, durante a década de 1950, um grupo de jovens fãs de filmes de terror resolvem se unir para produzir a sua própria história de zumbis. Durante a realização da película, no entanto, eles presenciam um grandioso acidente de trem. Ainda apavorados com a situação, o grupo começa a perceber algo de estranho quando misteriosos acontecimentos passam a abalar a sua pequena cidade, os colocando diante de uma ameaça misteriosa e assustadora. Trazendo no elenco a magnética Ellie Fanning, Super 8 é uma aventura familiar com essência oitentista. Um dos meus filmes prediletos desta lista. 

- No Limite do Amanhã (2014)




No melhor estilo vídeo-game, No Limite do Amanhã se tornou um dos grandes sucessos comerciais de 2014. Dirigido por Doug Liman, o longa estrelado por Tom Cruise investiu numa instigante narrativa ao acompanhar o dia D envolvendo a batalha entre humanos e alienígenas. Coestrelado pela excelente Emily Blunt, No Limite do Amanhã acompanha a jornada de um militar de alta patente que acaba obrigado a ir para o campo de batalha num suicida último embate contra os alienígenas. Sem qualquer tipo de aptidão para a guerra, ele parecia ser um alvo fácil. No auge do confronto, no entanto, ele entra em contato com uma substância alienígena, ganhando um misterioso poder temporal. Podendo voltar para o início do dia D sempre que morria, este desastrado soldado se torna uma importante arma na mão de uma destemida oficial, que encontra nele a possibilidade de colocar um fim a esta guerra intergalática. Ágil, explosivo e recheado de frenéticas sequências de ação, No Limite do Amanhã comprovou o carisma de Tom Cruise ao se tornou um interessante sucesso de público ao faturar US$ 370 milhões ao redor do mundo. 

Menções: A Bolha Assassina (1956), Força Sinistra (1985), Prova Final (1998), Invasão do Mundo: A Batalha de Los Angeles (2011), Battleship: A Batalha dos Mares (2012) e Vizinhos Imediatos do Terceiro Grau (2012). 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...