terça-feira, 29 de março de 2016

Os altos e baixos de Batman Vs Superman: A Origem da Justiça


Batman vs Superman: A Origem da Justiça (confira a nossa opinião aqui) chegou aos cinemas na última quinta-feira (24) causando um grande rebuliço. Recebido de maneira pouco amistosa pela crítica internacional, o longa dirigido por Zack Snyder causou uma relação de amor ou ódio junto aos fãs do gênero. Apesar do sucesso inicial da produção, que, em apenas cinco dias, já ultrapassou a barreira dos US$ 468 milhões nas bilheterias ao redor do mundo, as redes sociais foram tomadas por opiniões conflitantes, em alguns momentos até raivosas, comprovando que o longa passou longe de ser uma unanimidade. Desta forma, aproveitando o frenesi em torno deste grandioso projeto, confira a minha opinião sobre os pontos que mais agradaram e os que mais incomodaram em Batman Vs Superman:  A Origem da Justiça.

Alerta de spoilers ligado!

Mandou Bem

- Batman


Talvez o único elemento irretocável do longa, o Batman de Ben Affleck representa o grande acerto de Zack Snyder. Contrariando os mais pessimistas, o ator encarna a maturidade do seu personagem com absoluta categoria, criando um herói brutal, raivoso e obsessivo. Um Batman castigado pelo tempo. Além disso, o exagerado tom sombrio definido por Zack Snyder cai como um luva quando acompanha o arco do Homem Morcego, trazendo uma aura assustadora original e inegavelmente bem sucedida. 

- Mulher Maravilha


Responsável por alguns dos momentos mais empolgantes do longa, a Mulher Maravilha rouba a cena dentro do explosivo clímax. Superando as incertezas, a israelense Gal Gadot abraça sem maiores problemas a persona confiante e independente da amazona Diana Prince, entregando uma performance vibrante. Na verdade, a Mulher Maravilha é a única personagem que parece realmente se divertir dentro do longa, principalmente no embate com o gigante Apocalypse. Aliás, embalada pelos riff's do compositor Junkie XL, a sequência em que ela vai para a porrada com o antagonista é fantástica. 

- Primeira aparição do Flash


Talvez uma das poucas cenas realmente surpreendentes do longa, a primeira aparição do Flash é impecável. Dialogando com a previamente divulgada sequência do sonho, onde Bruce Wayne vislumbra um mundo destruído dominado por um insano Superman, o herói surge numa espécie de viagem do tempo, o alertando sobre os perigos envolvendo a figura de Lois Lane. Uma sequência que, num primeiro momento, não me pareceu tão complexa, mas que após uns minutos fez todo o sentido. 

- O efeito Lex Luthor


Ainda que a atuação de Jesse Eisenberg tenha passado um pouco do ponto, criando um Lex Luthor afetado e cheio de maneirismos, a figura do antagonista se revela extremamente funcional dentro da trama. Uma espécie de agente do caos, Lex é a grande mente por trás da rivalidade ente Batman vs Superman, fato habilmente desenvolvido pelo roteiro. Além disso, Snyder se arrisca ao transforma-lo num vilão mais insano, um antagonista que dialoga muito mais com o universo Batman, do que com o Superman. 

- A rixa entre os Heróis


Impulsionado pelos nefastos planos de Lex, a rixa entre Batman e Superman é desenvolvida com absoluta correção dentro da trama. A briga soa natural e coerente com os anseios de cada um dos heróis, principalmente pela capacidade do argumento em investigar as nuances emocionais dos dois de maneira isolada. Méritos para Snyder, que, já na primeira grande cena do longa, a destruição de Metropolis durante a batalha final apresentada em O Homem de Aço (2013), deixa claro o tormento do Homem Morcego diante do opressivo poder do seu "rival" kryptoniano. 

- A redenção de Superman


Apesar do arco envolvendo Clark Kent ser um dos problemas do longa, o clímax de Batman Vs Superman consegue reparar os excessos apresentados em o Homem de Aço (2013). Após investir num Superman mais inconsequente no longa anterior, Zack Snyder se esforça para tentar apagar esta má impressão deixada, permitindo que o herói explore o seu popular espírito altruísta de maneira honesta e grandiosa. Finalmente um desfecho à altura deste icônico herói da DC. 

- As sequências de ação


Praticamente irretocável no que diz respeito ao aspecto visual, Zack Snyder mostra a sua reconhecida categoria para construir intensas sequências de ação. Investindo na brutalidade, o realizador acerta ao fazer referências aos games da série Arkham, mostrando habilidade ao construir cenas físicas, bem coreografas e empolgantes. Com destaque para a sequência do sonho, na minha opinião um dos pontos altos do longa, e para a luta contra o gigantesco Apocalipse.

Mandou Mal

- Superman chato?


Talvez o mais afetado pelo excessivo tom sombrio do longa, Clark Kent ganha uma versão aborrecida em Batman Vs Superman. No foco de uma requentada discussão política em torno da sua presença na Terra, Snyder dá ao Homem de Aço uma persona superior, quase messiânica, o distanciando do público. Na verdade, ainda que o ator Henry Cavill se esforce, ressaltando a humanidade do personagem sempre que possível, os dilemas do herói são mal desenvolvidos, impedindo que ele cresça ao longo da primeira metade da trama. O resultado é um Superman inicialmente chato, que, após destruir parte de Metrópolis na batalha contra o general Zod, enfrenta uma crise íntima subaproveitada pelo argumento. 

- Tom exageradamente sombrio


Num todo, aliás, Batman vs Superman esbarra no tom exageradamente sombrio defendido por Zack Snyder. Ainda que eu defenda a variedade dentro do gênero, o realizador pesa a mão ao investir em subtramas mornas, sisudas e em soluções visualmente carregadas, exagerando ao potencializar o tom épico num premissa já suficientemente grandiosa. Na verdade, em alguns momentos o filme assusta mais do que empolga, principalmente em função do contexto nebuloso defendido pelo argumento. Filme sério por filme sério, ainda prefiro  O Cavaleiro das Trevas (2008), do Christopher Nolan, ou até mesmo o recente Capitão América: Soldado Invernal (2014), que trouxe ao escapista universo Marvel uma aura mais sóbria e realística. 

- A presença do Apocalipse


E aqui reside um dos maiores problemas do longa. Apesar de ser o pivô da excelente batalha final, o vilão Apocalipse e mal introduzido, concebido e aproveitado por Zack Snyder. A começar pelo visual da criatura, num CGI genérico e incompatível com os US$ 250 milhões investidos no longa pela Warner. Pra piorar, o processo de criação do personagem é de uma fragilidade impressionante. Toda a sequência envolvendo a relação de Lex Luthor com uma das naves kryptonianas é problemática, principalmente pela facilidade com que o vilão manipula a inteligência alienígena. Por fim, um dos grandes rivais do Superman, o Apocalipse surge apenas lá pelo último ato, sem grande função narrativa. 

- Subtrama politica requentada


Abordado na trilogia Cavaleiro das Trevas, em o Homem de Aço e até mesmo no universo mutante da Marvel nos cinemas, a subtrama política envolvendo a presença de Superman se revela requentada e desnecessária. Ainda que a talentosa Holly Hunter se destaque como um Senadora em dúvidas, o arco político tinha até potencial, mas é subaproveitado pelos roteiristas ao se seguir um rumo previsível. Além disso, em meio a uma batalha tão grandiosa, esta subtrama funciona de maneira até anticlimática, reduzindo o ritmo da primeira metade da trama. Num todo, aliás, o argumento é limitado por um recorte de situações mal conduzidas por Zack Snyder, esvaziando, inclusive, o próprio embate entre Batman e Superman.

- A reaproximação dos heróis


Dentre as muitas soluções equivocadas, esta particularmente me incomodou mais. Apesar da presença do gigante Apocalipse, Batman e Superman se aproximam através de um elementos bem menos inspirado: o nome das suas respectivas mães. Isso mesmo meus amigos, numa trama política, recheada de perigosas ameaças, os dois se aproximam porque as mães possuem nomes idênticos. Através desta coincidência, num insight muito mal desenvolvido, Bruce se associa a Clark, enxerga a sua humanidade e consequentemente coloca um ponto final a esta grandiosa luta. Uma reaproximação forçada e realmente frustrante. 

- A introdução da Liga da Justiça


Outro ponto que me incomodou - e muito - foi a apressada introdução dos demais integrantes da Liga da Justiça. Ainda que o longa acerte ao apresentar o Flash num primeiro momento, a sequência em que realmente os conhecemos se dá de maneira didática numa cena totalmente anti-climática. Na verdade, a Warner tentou fazer em dois filmes o que a Marvel demorou quase quatro anos para conseguir. Um atalho que definitivamente não funcionou. 

- Reveladora campanha de marketing


Zack Snyder você já foi melhor nesse ponto. Com orçamento de US$ 250 milhões, estima-se que a Warner tenha investido mais US$ 200 milhões na divulgação, o estúdio se apavorou com os primeiros indícios de que o longa não iria ter vida fácil nas bilheterias. Então, após uma prévia mais comedida, a Warner resolveu soltar uma série de trailers, teasers e cenas ao longo da campanha promocional. Como não podia deixar de ser, alguns dos mais interessantes segredos do longa foram inadvertidamente revelados, incluindo os diálogos mais contundentes, a presença do vilão Apocalipse e o quebra pau da Mulher Maravilha. Por mais que estas cenas funcionem dentro da película, o impacto inegavelmente não é o mesmo.

Curta a nossa página no Facebook e fique ligado em mais novidades sobre o mundo do cinema.  

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...