sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

Top 10 (Oscar 2016)


Após uma temporada realmente interessante para a sétima arte, principalmente no que diz respeito aos estrondosos e qualificados blockbusters, chegou a hora de fazer aquele balanço sobre os principais indicados ao Oscar 2016. Numa analise meramente pessoal, neste Top 10 preparei uma lista com os longas que mais me agradaram entre os indicados ao prêmio da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Desta forma, começamos com...


10º O Menino e o Mundo (Espaço Filmes)

Genuinamente tupiniquim, O Menino e o Mundo enche de orgulho os cinéfilos brasileiros ao promover um relato alarmante sobre a nossa sociedade. Inesperadamente indicado ao Oscar de Melhor Animação, o longa dirigido por Alê Abreu é contundente ao investigar a voracidade por trás do modo de vida urbano, transformando a lúdica aventura de um jovem em uma obra crítica, desconcertante e absolutamente atual. Numa categoria que reúne três dos maiores estúdios do gênero, a Pixar (Divertida Mente), o Ghibli (As Memórias de Marne) e a Aardman (Shaun, o Carneiro), a presença de O Menino e o Mundo entre os nomeados já pode ser considerada uma enorme vitória para o cinema brasileiro. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

9º Carol (Weinstein Company)

Inspirado no romance The Price of Salt, de Patricia Highsmith, Carol volta ao passado para mostrar uma história de amor e intolerância que ainda hoje se revela extremamente pertinente. Conduzido com enorme categoria pelo talentoso Todd Haynes, este elegante romance de época abdica dos melodramas ao narrar com absoluta sutileza a relação entre duas mulheres dispostas a enfrentar as conseqüências de uma paixão proibida. Indicado a seis categorias, apesar das brilhantes atuações de Cate Blanchett e Rooney Mara, este sensível romance não desponta como favorito em nenhum dos prêmios. O que não reduz em nada o mérito deste importantíssimo relato. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui.

 Ex-Machina (A24)

Misterioso desde a primeira sequência, Ex-Machina: Instinto Artificial (que belo subtítulo nacional!) investe numa abordagem reflexiva ao resgatar a essência instigante do clássico cinema Sci-Fi. Bebendo da fonte de autores do quilate de Isaac Asimov (Eu Robô) e Arthur C. Clark (2001: Uma Odisseia do Espaço), o filme dirigido e roteirizado por Alex Garland provoca o espectador ao levantar uma série de questões morais envolvendo a nossa relação com a tecnologia. Trazendo consigo uma aura quase independente, este reflexivo Sci-Fi conseguiu duas indicações nas categorias Melhor Efeitos Visuais e Melhor Roteiro Original. Além disso, nos apresentou a uma das novas sensações de Hollwyood, a expressiva atriz sueca Alicia Vikander. Ela que, aliás, passou em branco por este longa, mas conseguiu uma merecida indicação como Atriz Coadjuvante por seu incrível trabalho em A Garota Dinamarquesa. Na verdade, se levarmos em consideração os "termômetros dos Oscar", Vikander desponta como a grande favorita nesta categoria. Voltando a Ex-Machina, confira a nossa opinião sobre o longa aqui. 

7º Perdido em Marte (Fox)

Esbanjando uma energia invejável e o seu reconhecido rigor técnico, Ridley Scott retorna em grande estilo à ficção científica no espirituoso Perdido em Marte. Um dos grandes idealizadores por trás dos sombrios Alien - O Oitavo Passageiro (1979) e Blade Runner - O Caçador de Androides (1982), o realizador se reinventa ao universalizar o gênero que o consagrou, entregando um divertido Sci-Fi pop que em nenhum momento subestima a inteligência do espectador. Uma aventura espacial autoral e visualmente magnífica, que aproveita com rara inspiração o vácuo aberto pelos recentes sucessos de Gravidade (2013) e Interestelar (2014). Indicado a sete estatuetas, entre elas as de Melhor Filme, Ator e Roteiro Adaptado, Perdido em Marte também não desponta como favorito em nenhuma das categorias. Ainda assim, a atuação de Matt Damon e a direção de Scott são surpreendentes. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui.

6º Creed: Nascido para Lutar (Warner Bros.)

Trazendo consigo o peso da franquia Rocky Balboa, Creed: Nascido para Lutar retoma com absoluta convicção o legado construído por este icônico representante da cultura pop mundial. Com uma missão extremamente delicada em mãos, já que a saga do "garanhão italiano" havia ganho um desfecho altamente satisfatório no sensível Rocky Balboa (2006), o diretor e roteirista Ryan Coogler não decepciona por um segundo sequer, presenteando os fãs deste querido personagem com uma continuação humana, comovente e naturalmente vigorosa. Um dos principais pivôs na polêmica envolvendo a ausência de realizadores negros entre os indicados, já que se trata de um verdadeiro filmaço, Creed colocou Sylvester Stallone como um dos grandes favoritos na categoria Melhor Ator Coadjuvante. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui.

5º Steve Jobs (Universal)


Disposto a investigar a problemática relação entre o CEO da Apple e a sua filha Lisa, Steve Jobs desvenda uma faceta pouco conhecida do inventor ao examinar alguns dos seus segredos mais íntimos e reveladores. No embalo da inventiva trilha de Daniel Pemberton, Danny Boyle e Aaron Sorkin se encantam com o lado mais contraditório desta complexa e visionária figura, mostrando que por trás do mito existia um homem arrogante, falho, mas indiscutivelmente cativante. Em suma, intensa, vibrante e criativa, esta é a cinebiografia que Steve Jobs merecia. Indicado a modestos dois prêmios, Melhor Ator (Michael Fassbender) e Melhor Atriz (Kate Winslet), Steve Jobs merece se elevado a exemplo quando o assunto são as cinebiografias. Um relato corajoso e nada condescendente sobre esta icônica figura. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

4º O Quarto de Jack (A24)

Inspirado no best-seller 'Room', O Quarto de Jack se esquiva dos melodramas ao adaptar uma premissa ao mesmo tempo dolorosa e reconfortante. Conduzida com sensibilidade pelo talentoso Lenny Abrahamson, a película adota uma abordagem intimista ao traduzir o impacto de um sequestro na vida de uma mulher e do seu amado filho. A partir de um comovente ponto de vista infantil, o realizador é sutil ao se aprofundar nos traumas enfrentados pelos dois durante o período em cárcere privado, encontrando nas arrebatadoras atuações de Brie Larson e do pequeno Jacob Tremblay o misto de emoções necessárias para construir uma poderosa mensagem de amor e esperança. Assim como Whiplash - Em Busca da Perfeição fez na temporada passada, O Quarto de Jack preenche com absurdo merecimento a cota do filme pequeno indicado ao Oscar. Nomeado a quatro categorias, incluindo Melhor Filme e Diretor, o longa deu a promissora Brie Larson um enorme favoritismo na categoria Melhor Atriz. Justíssimo. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui. 

3º A Grande Aposta (Paramount)

Escancarando os absurdos por trás da gigantesca crise imobiliária norte-americana em 2008, A Grande Aposta esbanja estilo ao narrar os bastidores de uma incrível e alarmante historia real. Reconhecido por suas comédias mais satíricas, o diretor Adam McKay aposta numa abordagem mais critica ao dissecar os motivos que levaram a economia mundial à beira de um colapso. Sem subestimar a inteligência do público por um segundo sequer, o realizador passeia pelos mais truncados jargões financeiros com impressionante espontaneidade, promovendo através do instigante argumento uma perspicaz, inteligente e narrativamente inventiva aula de economia. Ao contrário do que muitos esperavam, A Grande Aposta surpreendeu ao levar o PGA, o prêmio do Sindicato dos Produtores de Hollywood. Um dos principais termômetros da categoria Melhor Filme, o evento deu a esta ácida comédia um inegável favoritismo na categoria principal. Ainda assim, o doloroso O Regresso e o necessário Spotlight seguem na briga, transformando a disputa numa das mais imprevisíveis do último ano. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

2º Divertida Mente (Buena Vista\Pixar)

Nos conduzindo por uma mágica e absolutamente genial viagem pelo cérebro humano, Divertida Mente se apropria com uma impressionante inocência de temas complexos, mostrando de um ponto de vista adoravelmente particular as oscilações emocionais de uma garotinha prestes a encarar a pré-adolescência. Personificando cada um dos principais e mais abstratos sentimentos humanos, que ganham corpo através de personagens cativantes e primorosamente desenvolvidos, a animação faz do cérebro infantil um criativo mundo de magia e cores, promovendo uma daquelas encantadoras viagens cada vez mais raras dentro do cinema atual. Favoritaço na categoria Melhor Animação, Divertida Mente também conseguiu uma merecida indicação na categoria Melhor Roteiro Original. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

1º Mad Max: Estrada da Fúria (Warner Bros.)

O hiato de trinta anos valeu a pena. Após exatas três décadas, o setentão diretor George Miller volta a saga que o consagrou no empolgante Mad Max: Estrada da Fúria. Num trabalho repleto de vigor, capaz de fazer inveja a qualquer grande nome do cinema de ação atual, o experiente realizador australiano traz contornos imprevisíveis ao mais novo capitulo da série, mostrando absoluta perícia ao construir uma sequência frenética, insana e brilhantemente explosiva. Indicado a 10 categorias, Mad Max deve "fazer a festa" nas categorias mais técnicas. Apesar do inegável favoritismo dado a Alejando G. Iñarritu, por sua trabalhosa realização em O Regresso, George Miller segue correndo por fora, e - cá entre nós - tem a minha completa torcida. Pena que isso não quer dizer absolutamente nada. Aqui no Cinemaniac, no entanto, Mad Max: Estrada da Fúria terá o seu devido reconhecimento, assumindo o primeiro lugar desta seletíssima lista. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

Menções Honrosas 

- Star Wars: O Despertar da Força (Buena Vista)

Grandioso do início ao fim, Star Wars: O Despertar da Força não é só o longa que os fãs de Luke, Han Solo e da Princesa Leia esperavam. Entrando tardiamente no radar do Oscar, Star Wars conseguiu cinco indicações ao Oscar, a maioria delas nas categorias técnicas. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui

- Ponte de Espiões (Buena Vista)

Sóbrio, inteligente e absolutamente sagaz, Ponte de Espiões nos brinda com um retrato revelador sobre os bastidores de uma incrível história real. Indicado a seis prêmios, entre eles os de Melhor Filme, o longa dirigido por Steve Spielberg tem a sua melhor chance na categoria Melhor Ator Coadjuvantes com a presença do ator Mark Rylance. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui.

- O Regresso (Fox)

Muito mais do que um 'western' de vingança, O Regresso é visceral ao investigar os limites da natureza humana diante de um cenário extremo e desolador. Indicado em doze categorias, este doloroso longa desponta como favorito entre os atores, com Leonardo DiCaprio, entre os diretores, com Alejandro G. Iñarritu, e entre os diretores de fotografia, com Emanuel Lubezki. Confira a nossa opinião sobre o longa aqui.


Concorda com a lista? Sentiu falta de algum outro indicado? Deixe abaixo os seus comentários. Aproveitando o frenesi em torno do Oscar 2016, confira o nosso especial sobre alguns dos momentos mais marcantes da história desta importante premiação. Em meio a polêmica envolvendo a ausência de realizadores negros indicados nesta edição do prêmio da Academia, e as consequentes acusações de preconceito racial, leia também o nosso Top 10 sobre os Filmes que conduziram Atores Negros a estatueta do Oscar

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...