quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Ex-Machina: Instinto Artificial

O ser humano e as suas "falhas de programação"

Misterioso desde a primeira sequência, Ex-Machina: Instinto Artificial (que belo subtítulo nacional!) investe numa abordagem reflexiva ao resgatar a essência instigante do clássico cinema Sci-Fi. Bebendo da fonte de autores do quilate de Isaac Asimov (Eu Robô) e Arthur C. Clark (2001: Uma Odisseia do Espaço), o filme dirigido e roteirizado por Alex Garland provoca o espectador ao levantar uma série de questões morais envolvendo a nossa relação com a tecnologia. Indo além das recorrentes discussões existências acerca do advento da inteligência artificial, o longa investe no suspense ao dialogar com dilemas extremamente atuais, nos colocando em cheque ao testar os nossos instintos diante de uma narrativa perspicaz, pulsante e inegavelmente profunda. Na verdade, apesar do viés futurístico, Ex-Machina se revela um relato particular sobre o ser humano, uma criatura repleta de boas intenções e inúmeras falhas de "programação".



Recheado de cenas simbólicas e diálogos poderosos, Ex-Machina fascina ao investigar a natureza humana a partir dos seus instintos mais primitivos. Ao contrário do que o pano de fundo Hi-Tech poderia sugerir, o longa mostra encantamento pela faceta mais humana dos seus personagens, se esquivando das discussões teóricas ao analisar a nossa afeição pelas novas tecnologias. Ainda que num primeiro momento a trama possa parecer previsível, aos poucos percebemos que Alex Garland esconde no texto ágil e sagaz uma série de pistas falsas, manipulando as nossas expectativas ao acompanhar a reação dos protagonistas à enigmática presença da IA. Através de uma narrativa tensa, o realizador nos coloca no centro da ação ao contar a história de Caleb (Domhall Gleeson), um inteligente programador sorteado para participar de um importante experimento dentro da sua empresa. Empolgado com a notícia, ele parte para a isolada mansão de Nathan (Oscar Issac), um magnata da tecnologia que está prestes a lançar a sua mais nova invenção. Neste nebuloso cenário, Caleb é apresentado a Ava (Alicia Vikander), um robô com feições femininas prestes a encarar o seu último grande teste. Nele, o jovem terá uma semana para ser convencido de que está diante de uma criatura com inteligência artificial, capaz de sentir e reproduzir emoções humanas. Intrigado, Caleb coloca as suas crenças em cheque ao se envolver com esta criatura, iniciando um perigoso jogo ao perceber que Ava não era a única sendo testada. 


Equilibrando drama, suspense e terror psicológico, Ex-Machina explora com rara inspiração o benefício da dúvida ao voltar este elaborado teste para o próprio espectador. A partir de três tipos aparentemente bem definidos, um egocêntrico inventor, um inocente programador e uma sedutora robô, Garland dialoga com temas estritamente humanos, permitindo que o público se identifique com os dilemas e as reações de cada um deles. Na verdade, ao proteger os segredos da trama com enorme categoria, o argumento permite que a desconfiança gerada na relação entre Caleb, Ava e Nathan exponha algumas das falhas mais comuns ao comportamento humano, as tornando decisivas na construção das inteligentes reviravoltas. Nesse sentido, aliás, é interessante ver como o longa aponta para diversos caminhos durante os envolventes 110 minutos, dando ao público a possibilidade de não só se enxergar dentro das atitudes dos protagonistas, mas também de absorver a reflexiva premissa nas suas mais variadas camadas. Nas entrelinhas, inclusive, Garland levanta uma série de discussões completamente atuais, mostrando objetividade ao debater sobre a crescente vigilância individual, o impacto das relações virtuais na nossa existência e os limites éticos por trás do desenvolvimento tecnológico.


Amparado pela imaginativa direção de arte, Alex Garland é habilidoso ao transformar o claustrofóbico cenário Hi-Tech num elemento poderoso dentro da proposta de Ex_Machina. Ajudado pela vibrante fotografia de Rob Hardy, o realizador faz um expressivo uso da iluminação ao potencializar a atmosfera de suspense em torno dos protagonistas, trabalhando com noções de semiótica ao traduzir as intenções do trio com absurda criatividade. Vide a forma como ele se baseia nas cores azul (conforto, controle), vermelho (emoção, tensão) e branco (pureza, incomodo) na construção das sequências mais marcantes. Mesmo com um modesto orçamento em mãos, cerca de US$ 15 milhões, o diretor é igualmente criativo na construção dos impecáveis efeitos digitais. Integrando as feições da atriz Alicia Vikander a um corpo robótico, Garland mostra inspiração ao conceber a enigmática Ava, personagem que ganha uma aura orgânica e inquestionavelmente original. Sem querer revelar muito, a sequência em que a inteligência artificial assume a sua forma mais humana é de arrepiar de tão sensível e esclarecedora.


Com três dos nomes mais ascendentes de Hollywood na atualidade em mãos, Alex Garland encontra no talento do escocês Domhnall Gleeson, do guatemalteco Oscar Isaac e da sueca Alicia Vikander a versatilidade necessária para defender tipos tão instigantes. Cuidadoso ao explorar o crescente intimismo entre Caleb, Nathan e Ava, o diretor é habilidoso ao permitir que os três atores absorvam com liberdade os segredos dos seus personagens, tornando as reviravoltas naturais aos olhos do público. Dando vida a um jovem virtuoso, Gleeson é sutil ao traduzir os dilemas éticos enfrentados por Caleb, criando uma figura que cresce à medida que descobre as verdadeiras intenções de Nathan. Por outro lado, talvez o elemento menos inspirado dentro do roteiro, recluso inventor ganha contornos mais atraentes graças ao confiante trabalho de Oscar Isaac. Impecável ao reproduzir a empáfia do seu descolado personagem, o ator convence ao tornar natural alguns dos debates mais existenciais do longa, tornando a conflitante relação ente mentor e pupilo um dos pontos mais interessantes da película. Nada, no entanto, supera a fascinante atuação de Alicia Vikander, brilhante ao construir os movimentos da robótica criatura sem deixar de transparecer humanidade. Num trabalho absurdamente expressivo, a atriz sueca é magistral ao capturar a essência sedutora de Ava, dando completo sentido ao angustiante clímax.


Trazendo consigo ainda uma inegável vocação feminista, Ex-Machina: Instinto Artificial brinca com as expectativas do espectador ao propor, sob o prisma Homem X Máquina, o velho embate filosófico entre a razão e a emoção. Através de uma abordagem naturalmente sensual, Alex Garland transforma a androide Ava num instrumento astuto e revelador, elucidando a partir desta fascinante figura o impacto das novas tecnologias na nossa existência. Não se engane, porém, com a aparência complexa do longa. Ex-Machina é um daqueles trabalhos que funciona seja como ferramenta de reflexão, seja como um suspense de altíssima qualidade.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...