terça-feira, 29 de junho de 2010

Cinemaniac Indica (O Imaginário Mundo do Dr Parnassus)

Cercado de muita expectativa, após o precoce falecimento do jovem ator Heath Ledger, O Imaginário Mundo do Dr Parnassus teve de enfrentar muitos problemas para chegar aos cinemas. E felizmente conseguiu. Mesmo tendo que mudar grande parte do roteiro, e de certa forma o rumo do filme, Terry Gillian nos proporciona uma obra inovadora, mágica, e inestimável, principalmente quando vemos a mesmice em que se entranhou a sétima arte na atualidade. Com um excelente elenco, um visual brilhante, e um roteiro perfeitamente desenvolvido, O Imáginário consegue surpreender o espectador, fazendo uma inusitada e eficiente mistura entre mágica e realidade.

Mistura esta que, aliás, se torna um dos grande pontos altos do filme. Claro que a alcunha de ser "o último filme de Heath Ledger" trouxe mais visibilidade para o longa, mas é a sua trama que consegue fazer do filme um "obra prima". Explorando bem o universo do fantástico, o filme aborda temas realmente significativos para a nossa sociedade, como o alcoolismo, o consumismo, a corrupção, a violência entre muitos outros. A trama narra a historia de O Dr. Parnassus (Christopher Plummer), um homem que tem o dom de inspirar a imaginação das pessoas. Dono de uma companhia de teatro itinerante, ele conta com a ajuda de seu assistente Percy (Verne Troyer), do mágico Anton (Andrew Garfield) e do misterioso Tony (Heath Ledger) para oferecer ao público a chance de transcender a realidade e entrar em um universo sem limites, o qual pode ser alcançado ao atravessar um espelho mágico. Porém, toda esta mágica tem um preço e ele está perto de ser cobrado ao dr. Parnassus: sua preciosa filha Valentina (Lily Cole).

Nos trazendo um equilíbrio perfeito entre a mágica visual e o viés realístico, Gillian brinda o espectador com uma das melhores fábulas já apresentadas no cinema. Com um orçamento de pouco mais de 45 milhões em mãos, o diretor consegue imprimir todo o seu estilo no aspecto visual da projeção. Cada viagem pela mente do Dr Parnassus, é um show de criatividade, originalidade e principalmente, ousadia. Em um momento em que o cinema cada vez mais tenta copiar as fórmulas já apresentadas por outros diretores, Gillian opta pela inovação e acerta em cheio. Utilizando cores vivas, e muitos contrastes, o visual é impactante e o resultado deslumbrante. Impossível de se definir em palavras.

Se visualmente o filme é impecável, o elenco consegue ainda mais êxito. Escalando, originalmente, nomes do quilate de Cristopher Plummer, Tom Waitts e Heath Ledger, o filme ganha reforço de três excelentes atores, que se alternaram na substituição à Ledger: Johnny Depp, Jude Law e Colin Farrel. A ideia, se mostrou mais um dos grandes acertos do longa, e o resultado saiu melhor que a encomenda. Apesar de nenhum dos três conseguir demonstrar a intensidade e a entrega que Ledger imprime no mundo "real", os "substitutos de peso", dão novas facetas ao personagem, dentro do imaginário mundo do Dr Parnassus. Se apoiando em uma maquiagem brilhante, os atores conseguem substituir Ledger a altura, deixando uma sensação que o ator nunca deixou a cena. Ainda assim, dos três, apesar do equilibrio, o que se sai melhor é Depp. Mesmo com o menor tempo de aparição, a presença do ator é marcante, numa cena que presta uma singela homenagem a grandes nomes da arte, que apesar de mortos, viverão eternamente. Somado aos astros experientes, o Imaginário apresenta dois nomes, que prometem ser bastante comentados nos próximos anos: Andrew Garfield e Lily Cole. Mesmo sendo os mais jovens, em um elenco recheado de grandes medalhões, os dois não se intimidam e tem ótimas atuações.

Enfim, com um visual brilhante, um elenco contagiante, uma crítica social bem desenvolvida e uma trama surpreendente, O Imaginário mundo do Dr Parnassus é sim uma obra de arte. Infelizmente, o filme ficará marcado como o último de Ledger, um grande ator, que no auge de sua carreira, deixou o cinema mais triste. Mas como o próprio filme destaca, alguns nomes, através de seus feitos, conseguem a imortalidade. E talvez Ledger venha a ser um deles, graças a grandes trabalhos como o memorável O Imaginário Mundo do Dr Parnassus.
Por que assistir ?
- Pelo grande elenco, todos com grandes interpretações.
- Pelo visual inovador, criativo e mágico apresentado por Terry Gillian.
- Por se tratar do último filme do ótimo Heath Ledger, um ator que sem dúvidas, deixará saudades.

4 comentários:

Nekas disse...

Um filmes bom que poderia ser muito melhor se tivesse uma linha de narrativa mais forte mas não deixa de ser um óptimo filme carregado de imaginação e de magia e, claro, o último de Ledger que, como tu dizes, deixa saudades.

Abraço
Cinema as my World

thicarvalho disse...

Nekas, acho q a opção por uma linha narrativa mais suave, é justamente uma das grandes sacadas do filme. As criticas ficam nas entrelinhas, e são embaladas por um visual fantástico e ótimas atuações. Sem dúvidas Ledger deixará saudades.Acho até q o resultado seria ainda mais eficiente, se o ator tivesse atuado em todo o filme. Grande abraço.

Tiago Britto disse...

ahhh eu gostei desse filme...e no final arrumaram bem uma solução para a morte do grandioso ledger!

Jardel Nunes disse...

Filmão.. Terry Gillian sabe como ninguém se virar com orçamentos mínimos.
Uma pena a morte do Ledger, sempre achei ele um grande ator, desde a época do 10 Coisas que Eu Odeio em Você.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...