segunda-feira, 1 de maio de 2017

Ranking: O Melhor e o Pior do Universo Cinematográfico da Marvel


Dando uma verdadeira aula no que diz respeito ao universo compartilhado, a Marvel Studios construiu ao longo dos últimos dez anos uma franquia rentável e absolutamente poderosa. Aproveitando a estreia do exuberante Guardiões da Galáxia Vol. 2 (leia a nossa crítica aqui), uma aventura densa e comovente capaz de transformar esta inusitada superequipe no produto solo mais atraente da companhia, nesta matéria especial confira um ranking com as melhores e piores produções do Universo Cinematográfico da Marvel.


15º O Incrível Hulk (2008)


O "pior" filme da lista está longe de ser uma produção propriamente ruim ou problemática. Disposto a apagar a má impressão deixada no questionado Hulk (2003), uma adaptação atrapalhada pelas tom exageradamente sério e pelo artificial uso do CGI, o diretor francês Louis Leterrier (Truque do Mestre) resgatou o monstrengo verde ao fazer de O Incrível Hulk uma versão absolutamente bem resolvida. Estrelado pelo temperamental Edward Norton, que mais tarde seria substituído pelo talentoso e boa praça Mark Ruffalo, o longa investiu pesado na ação ao tirar um excelente proveito dos efeitos digitais. O novo Hulk surge então raivoso e gigantesco, protagonizando algumas espetaculares sequências de ação. Além disso, reconhecidamente um dos poucos problemas do Universo Marvel nos Cinema, o vilão Abominável se revela um antagonista à altura deste icônico personagem, graças a competente atuação de Tim Roth. Narrativamente, porém, O Incrível Hulk é apenas eficiente, de longe o argumento mais burocrático dentro da franquia. 

14º Homem de Ferro 2 (2010)


Após o fantástico primeiro longa, Homem de Ferro 2 (2010) chegou aos cinemas se revelando um entretenimento de qualidade, mas alguns degraus abaixo no que diz respeito a originalidade. Novamente dirigido por John Favreau, a continuação é certeira ao abraçar as crises do protagonista, desvendando com precisão e bom humor os dilemas e a egocêntrica personalidade de Tony Stark. Além disso, o longa é igualmente preciso ao introduzir a popular Viúva Negra (Scarlett Johansson), uma personagem forte que rouba a cena. Num todo, porém, Homem de Ferro 2 resolve caminhar  por um terreno mais seguro, repetindo algumas fórmulas que consagraram o original. Visualmente impecável, o longa aposta num antagonista genérico, o russo Chicote Negro (Mickey Rourke), reduzindo o impacto desta sequência quando o comparamos com o seu antecessor. O que, verdade seja dita, não é um grande problema, já que o primeiro Homem de Ferro é primoroso.  

13º Thor: O Mundo Sombrio (2013)


Uma continuação maior e mais requintada, Thor: O Mundo Sombrio corrige os deslizes do longa original ao flutuar da Terra para Asgard com absoluta precisão. Sob a batuta de Alan Taylor, realizador conhecido por episódios da série Game of Thrones, o longa ganhou uma roupagem ainda mais épica e grandiosa, explorando com habilidade a rivalidade entre Loki e Thor. Recheado de impecáveis sequências de ação, a continuação é igualmente certeira ao tirar proveito do talentoso elenco, permitindo que cada um dos personagens tenha o seu momento de destaque. Os talentosos Stellan Skarskarg, Natalie Portman e Rene Russo ganham uma participação ainda mais ativa dentro da trama, preenchendo as pequenas brechas deixadas pelo roteiro. O "calcanhar de aquiles" desta continuação, no entanto, é o insosso vilão Malekith. Apesar do visual caprichado e da competência do ator Christopher Ecclestone, o antagonista se revela o mais problemático da franquia, o que só não se torna um problema maior graças a presença do sempre dúbio Loki. Ainda assim, ora bem humorado, ora aventureiro, Thor: O Mundo Sombrio fez jus ao elevado padrão de qualidade dos seus antecessores, dando ao lendário deus nórdico uma continuação à sua altura. (Leia a nossa crítica completa)

12º Capitão América: O Primeiro Vingador (2011)


De volta ao início do século XX, Capitão América: O Primeiro Vingador é preciso ao introduzir o clássico Steve Rogers. Dirigido por Joe Johnston (Jurassic Park III), o longa se revela uma aventura extremamente envolvente, principalmente pela forma como abraça o clima de época. Trazendo um dos antagonistas mais bem caracterizados da franquia, o nefasto Caveira Vermelha (Hugo Weaving), o realizador é fiel às histórias em quadrinhos ao introduzir o super soldado, realçando o seu idealismo e a sua postura ingenua durante a Segunda Guerra Mundial. Indo além das intensas sequências de ação, O Primeiro Vingador é habilidoso ao trabalhar com temas como a propaganda de guerra e a relação do herói com o seu amigo Bucky Barnes, preparando o terreno para os futuros longas da série. E isso sem falar da carismática presença de Chris Evans, que já neste primeiro filme mostrou ter sido a escolha perfeita para este importante papel. Esbanjando sutileza ao abordar as questões mais dramáticas e sentimentais, Capitão América: O Primeiro Vingador é um entretenimento completo. Um filme que diverte, empolga e emociona com a mesma facilidade. 

11º Homem de Ferro 3 (2013)


Inegavelmente o título mais polêmico da franquia, Homem de Ferro 3 se tornou um grande divisor de águas para o estúdio. Ao contrário do seu antecessor, um longa que preferiu apostar em fórmulas mais seguras, a película dirigida por Shane Black (Beijos e Tiros) mostrou que a Marvel não tem medo de ousar. Um dos filmes mais originais da saga, Homem de Ferro 3 causou um enorme rebuliço junto aos fãs mais intransigentes, principalmente pela maneira com que descaracteriza alguns dos personagens mais marcantes das HQ's. Com liberdade para criar, Black construiu uma sequência inusitada, ora explosiva e urgente, ora familiar e divertida. A relação entre Tony Stark e o pequeno Harley Keener (Ty Simpkins), por exemplo, é inesperadamente cativante, assim como a inestimável presença do vilão Mandarim. Além disso, Homem de Ferro 3 abre espaço para a vasta coleção de armaduras do herói, que se transformam num elemento impactante dentro do frenético clímax. Aos 45 minutos do segundo tempo, no entanto, o roteiro dá uma ligeira derrapada, um fato decisivo para o rumo da série nos cinemas. Até porque, apesar do sucesso do longa nas bilheterias, os executivos do estúdio não gostaram nem um pouco das escolhas mais drásticas dos roteiristas, reduzindo desde então a liberdade criativa dos realizadores dentro do Universo Marvel.

10º Homem-Formiga (2015)


Por falar em originalidade, Homem-Formiga arrematou a fase 2 mostrando o cuidado da Marvel na introdução dos seus personagens. Apesar dos problemas durante a pré-produção, situações que levaram o diretor Edgar Wright - o idealizador da adaptação - a deixar o projeto, o longa dirigido por Peyton Reed (Sim, Senhor) adicionou novos ingredientes à franquia ao apostar em elementos oriundos dos filmes de assalto. Investindo num texto cômico e numa abordagem mais intimista, o argumento mostrou habilidade ao acompanhar o início da S.H.I.E.L.D, sem esquecer de apresentar a nova versão do carismático Homem-Formiga. Com um elenco escolhido a dedo, Paul Rudd, Michael Douglas e Evangeline Lilly caíram como uma luva na saga, dando a esta descompromissada continuação um inegável peso. Além disso, após a grandiosidade defendida pelo estúdio em A Era de Ultron, Reed é brilhante ao explorar o poderes deste minimalista personagem, entregando algumas das mais autorais sequências de ação da franquia. Contando também com uma montagem repleta de energia, que, não só traz mais agilidade às sequências de ação, como também pontua as hilárias explicações de Louis (Michael Peña), Homem-Formiga é uma espécie de "respiro" dentro do cada vez mais intenso Universo Marvel. (Leia a nossa crítica completa)

9º Thor (2011)


Preciso confessar, Thor é um daqueles filmes que parece melhorar a cada vez que assisto. Trazendo o mais expressivo antagonista da franquia, o sagaz Loki (Tom Hiddleston), o diretor Kenneth Branagh (Hamlet e Henrique V) usou a sua experiência em filmes de época para introduzir o reino de Asgard. Contando com o carisma do ator Chris Hemsworth, outro que foi escolhido a dedo para o papel, o longa é impecável ao acompanhar o processo de "humanização" do herói e a rixa palaciana envolvendo o seu irmão e pai. Recheado de primorosos efeitos visuais, principalmente no que diz respeito ao cenário Asgardiano, Thor flutua da ação para a comédia com absoluta categoria, arrancando uma série de risadas ao acompanhar a chegada do deus nórdico ao planeta Terra. Mesmo sem entregar a grandiosidade esperada em uma adaptação do porte deste icônico super-herói, Thor surpreende ao investir no altruísmo, encontrando a sua força na jornada de redenção deste poderoso personagem.

8º Doutor Estranho (2016)



Com um elenco de fazer inveja a qualquer grande produção do Oscar, Doutor Estranho é uma aventura eficaz que alcança um patamar superior graças ao seu fantástico apuro visual. No embalo da sensível trilha sonora de Michael Giacchino, impecável ao acompanhar o estado de espírito do protagonista, Scott Derrickson é habilidoso ao transitar pela ação, pela comédia e pelo drama com enorme dinamismo, absorvendo a vasta mitologia mística idealizada por Lee e Ditko com leveza e propriedade. Mesmo diante de algumas soluções inegavelmente convenientes, o processo de aprendizado de super-herói, por exemplo, se revela um tanto quanto acelerado, o realizador constrói uma película narrativamente redonda, bem resolvida, que realmente ousa ao oferecer uma experiência estética autoral, lisérgica e totalmente inédita dentro do vasto universo cinematográfico da Marvel Studios. (Leia a nossa crítica completa)

7º Vingadores: A Era de Ultron (2015)


Embalado por uma série de arrebatadoras cenas, daquelas capazes de nos levar à euforia, Era de Ultron surpreende ao apostar numa abordagem mais sombria envolvendo os seus super-heróis. Explorando os contrastes em torno da premissa, Joss Whedon é impecável ao construir um longa denso, mas absolutamente divertido, grandioso, mas cuidadosamente intimista. Fazendo o melhor uso possível deste supergrupo, que aqui tem um desenvolvimento surpreendentemente humano, a continuação ganha contornos épicos ao se apoiar não só na primorosa presença do vilão Ultron, e na pitada de insanidade que ele adiciona ao 'status quo' dos heróis, mas principalmente ao introduzir esta perceptível mudança de tom sem renegar a essência "pipoca" da franquia. Até porque, independente do senso de urgência da trama, sempre vai existir espaço para as espetaculares sequências de ação, para algumas participações inesperadas e para o humor afiado de Tony Stark e sua turma. (Leia a nossa crítica completa)

6º Capitão América: O Soldado Invernal (2014)


Impulsionado pelas empolgantes cenas de ação, a pancadaria come solta nas mãos dos diretores Anthony e Joe Russo, e pela grandiosidade dos efeitos visuais, O Soldado Invernal é muito mais do que um simples filme pipoca. É um sólido trabalho, responsável por dar um novo rumo ao universo Vingadores nos cinemas. Eu diria mais, esta continuação é uma resposta àqueles que duvidavam da capacidade do estúdio em produzir uma obra com um teor mais sério. Um verdadeiro thriller de espionagem, o longa é impecável ao revelar a nocividade da HYDRA, protegendo os segredos em torno dos nebulosos antagonistas. Com um Chris Evans cada vez mais à vontade no papel, o filme prepara o terreno para o desfecho da fase 2 da Marvel, levantando uma série de questões em torno do futuro deste supergrupo. Além disso, o longa introduziu personagens como o intenso Soldado Invernal (Sebastian Stan) e o empolgado Falcão (Anthony Mackie), um elemento que se tornou extremamente funcional nas grandiosas sequências de ação. E isso sem esquecer de trazer uma contextualizada crítica envolvendo a política armamentista norte-americana. (Leia a nossa crítica completa)

5º Guardiões da Galáxia Vol. 2 (2017)


Uma continuação com o frescor do original, Guardiões da Galáxia Vol. 2 eleva o nível da brincadeira ao transformar um inusitado supergrupo no produto solo mais atraente do atual Universo Cinematográfico da Marvel. Com carta branca para criar após o bem sucedido primeiro longa, o audacioso James Gunn esbanja a sua reconhecida irreverência ao entregar uma sequência com uma identidade própria, uma película capaz de expandir os seus horizontes de maneira independente e sem a necessidade de se manter "presa" as engrenagens da franquia. Indo de encontro à maioria das continuações do gênero, o realizador não quis somente reciclar a estrutura do material fonte, ampliar o escopo da trama ou introduzir as tão esperadas novas ameaças. Na verdade, Gunn resolveu se aprofundar na natureza dos seus personagens, nas camadas brevemente introduzidas no filme anterior, estreitando os laços familiares entre eles ao investir numa premissa íntima, densa e sinceramente comovente. E isso, obviamente, sem abrir mão do "tempero" Guardiões da Galáxia. Com o pleno domínio narrativo sobre a sua obra, James Gunn nos brinda com uma mistura ainda mais apimentada, uma aventura exuberante potencializada pelo humor sacana, pelas inúmeras referências pop, pela poderosa trilha sonora e pelo incrível apuro estético. Em suma, embora tropece aqui ou ali, Guardiões Vol. 2 é o triunfo do patinho feio, a consolidação de um produto que encontrou no cinema a liberdade para alçar voos bem mais altos. (Leia a nossa crítica completa)

4º Guardiões da Galáxia (2014)


Se você quer saber o porquê de todo o sucesso dos filmes da Marvel, assista a Guardiões da Galáxia e terá a sua resposta. Apostando no carisma e na excentricidade destes desconhecidos personagens, a o estúdio supera todas as expectativas ao encontrar a alternativa perfeita para conseguir ampliar o seu universo cinematográfico. Transformando o supergrupo b dos quadrinhos em um avassalador sucesso de público e crítica, o diretor James Gunn nos apresenta uma obra exótica e original, completamente distante do que vem sendo produzido dentro do gênero. Equilibrando de forma primorosa ação, comédia, aventura e o ótimo repertório musical, esta adaptação é um tiro certeiro capaz de reunir toda a essência da Marvel em um mesmo longa. Mesmo com alguns pequenos deslizes, a maioria deles reduzidos ao problemático vilão Ronan, o longa surpreende ao investir numa estética absolutamente pop, potencializada pelo fantástico elenco, pelo cenários ultra coloridos e pela trilha sonora setentista. (Leia a nossa crítica completa)

3º Capitão América: Guerra Civil (2016)



Cultivando sentimentos até então raros dentro do Universo Vingadores, como a dor, a raiva e a vingança, Capitão América: Guerra Civil marca o amadurecimento de uma franquia que não se cansa de ousar e surpreender. Auxiliados pela invejável química entre os atores, os irmãos Anthony e Joe Russo são corajosos ao escancarar as consequências por trás deste gigantesco embate, revelando o quão nocivo e extremo podem ser os espólios de uma guerra. Recheado de momentos memoráveis, o longa empolga ao construir um história sóbria, com forte carga dramática, sem abrir mão dos aguardados alívios cômicos e das espetaculares sequências de ação. Desta forma, ao aliar tensão, drama e humor com absoluta propriedade, a Marvel Studios comprova que seriedade e diversão podem caminhar lado a lado dentro deste concorrido gênero. (Leia a nossa crítica completa)

2º Homem de Ferro (2008)


O Abre Alas da Marvel Studios, Homem de Ferro conquistou a crítica e o público ao investir numa aventura irônica e repleta de personalidade. Responsável por ditar o tom que viria a guiar esta poderosa franquia, o longa dirigido por Jon Favreau (Chef) reuniu tudo aquilo que um filme de super-herói deveria ter. Com personagens carismáticos, espetaculares cenas de ação e uma argumento impecável, a cereja do bolo caiu nas mãos do ator Robert Downey Jr. Numa performance magnífica, o ator deu a volta por cima em sua carreira ao absorver as nuances por trás do complexo Tony Stark. Além disso, Downey Jr. trouxe popularidade a este personagem do time B da Marvel, o transformando numa das peças chaves dentro do Universo Vingadores. Uma aposta de risco do estúdio que, ao contrariar todas as expectativas, começou a redefinir o gênero ao valorizar acima de tudo a diversão e o entretenimento. 

1º Os Vingadores (2012)


Reunindo pela primeira vez a super equipe de heróis Marvel, Os Vingadores (2012) figura na minha lista pessoal de melhores filmes do gênero. Estupidamente divertido, o longa dirigido por Joss Whedon conquistou o público ao valorizar a dinâmica deste grupo, abrindo espaço para as rixas, as diferenças ideológicas e para a construção da tão celebrada química entre eles. Através de uma premissa bem resolvida, a película premiou o público com uma sucessão de momentos empolgantes, oferecendo muita ação, personagens bem construídos e uma premissa naturalmente envolvente. Investindo no humor e nos primorosos efeitos visuais, Whedon esbanjou categoria ao abraçar as características mais marcantes de cada um dos super-heróis, realçando a pluralidade deste carismático supergrupo. O resultado não podia ser outro. Recebido com entusiasmo pela crítica, Os Vingadores se tornou um estrondoso sucesso comercial ao faturar US$ 1,5 bi ao redor do mundo. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...