sábado, 19 de julho de 2014

Cinco filmes... (Robôs)


Nesse fim de semana, finalmente, chegou aos cinemas a quarta continuação de Transformers. Intitulado A Era da Extinção, a sequência novamente dirigida por Michael Bay, e agora estrelada por Mark Wahlberg, já desponta como uma das grandes bilheterias de 2014. Aproveitando o frenesi em torno dos robôs Optimus Prime, Bumblebee e a sua turma, confira cinco filmes que você precisa conhecer evolvendo a interação entre robôs e humanos. 

- O Incrível Robô (1986)


Grande sucesso nas sessões vespertinas da década de 1990, O Incrível Robô é um daqueles longas que não merece cair no esquecimento. Estrelado por nomes de destaque na década de 1980, como Steven Guttenberg (Loucademia de Policia) e Ally Sheedy (Clube dos Cinco), a comédia acabou nos apresentando o carismático Johnny 5. Na trama, após fugir do exército americano, essa invenção acaba caindo nas mãos de uma jovem que acredita na possibilidade dele ter vindo do espaço. Aprendendo tudo sobre a cultura pop, Johnny não esperava que o exército norte-americano estivesse ávido atrás do seu paradeiro. Dirigido por John Badham (Os Embalos de Sábado a Noite), o Incrível Robô ganhou uma igualmente divertida sequência chamada Um Robô em Curto Circuito. 

- O Gigante de Ferro (1999)


Dirigido pelo então novato Brad Bird (Os Incríveis, Ratatouile, Missão Impossível 5), O Gigante de Ferro conseguiu uma repercussão maior junto aos fãs dos longas animados. Ainda em 2-D, essa cativante história nos apresentou o pequeno Hogarth, um acelerado jovem que acaba encontrando um gigantesco robô. Encantado pela descoberta, Hogarth desenvolve uma grande relação de amizade com a máquina. Entre brincadeiras e surpresas, o jovem passa a ficar preocupado quando um curioso agente inicia uma investigação envolvendo estranhos episódios na região. Sem saber do iminente perigo, Hogarth tenta esconder os robôs das autoridades, o que desencadeia uma série de consequências de grandes proporções. Emocionando e empolgando de forma intensa, O Gigante de Ferro é presença certa na minha lista de melhores animações. 

- O Guia do Mochileiro das Galáxias (2005)


Considerada a obra definitiva sobre o universo nerd, O Guia do Mochileiro das Galáxias ganhou uma versão cinematográfica que agradou a maioria dos fãs do livro assinado por Douglas Adams. Estrelada por Martin Freeman (O Hobbit), o longa nos apresenta o carismático robô Marvin (Warwick Davis). Na trama, após um dia extremamente ruim, Arthur (Freeman) acaba descobrindo que o planeta Terra está prestes a ser destruído. Ao lado do seu amigo (Mos Def), que ele descobre ser um alienígena infiltrado na Terra, Arthur decide embarcar em uma viagem pelo universo. Divertido e empolgante, o Guia do Mochileiro das Galáxias é considerado pelos fãs do Sci-Fi um dos trabalhos mais icônicos dentro do gênero. 

- Gigantes de Aço (2011)


Estrelada por Hugh Jackman, Gigantes de Aço se tornou um dos mais surpreendentes blockbusters de 2011. Embalado pelo carisma de Dakota Goyo, o longa nos apresentou o carismático Atom, um robô que servia de treinamento para as máquinas lutadoras que invadiram o mundo do boxe. Encontrado no ferro velho por um jovem (Goyo), Atom acaba ganhando a chance de brilhar após conseguir boas vitórias no sub-mundo do boxe de robôs. Dirigido por Shaw Levy, um dos realizadores que dificilmente erra na mão, Gigantes de Aço é um daqueles trabalhos direcionados a todos os públicos. 

- Frank e o Robô (2012)



Estrelado por Frank Langella, esse despretensioso Sci-Fi é a maior surpresa da lista. Lançado diretamente em DVD no Brasil, o longa impressiona pela sua interessante premissa, carregada de questionamentos e filosofias. Na trama futurista, que também conta com Susan Sarandon, James Mardsen e Liv Tyler, um ex-ladrão vive de forma solitária em uma isolada casa. Sofrendo de Alzheimer, o idoso acaba preocupando os seus distantes dois filhos. Numa dessas visitas, inclusive, um deles dá um robô enfermeiro para o pai, na tentativa que ele possa ajuda-lo a reorganizar a sua rotina. Apesar de relutar inicialmente, o idoso enxerga a possibilidade de voltar ao mundo do crime com a ajuda desta máquina hi-tech. Fazendo uma interessante comparação entre os dilemas existenciais de um robô, e as mazelas envolvendo o mal de Alzheimer, Frank e o Robô é um bem humorado drama, repleto de pequenos debates inerentes ao gênero. 

Menção Honrosa

- Metrópolis


Clássico do expressionismo Alemão, Metropolis é considerado por muitos o pai de todos os Sci-Fi. Lançado em 1927 pelo cultuado diretor Fritz Lang, o longa de quase 3 horas de duração não é realmente fácil de assistir, mas, ainda assim, é uma obra indispensável para os fãs da sétima arte. No longa, que se passa no então distante século XXI, uma grande cidade é dominada por um autocrático poderoso empresário. Apostando na divisão por classes, enquanto os ricos viviam no Jardim dos Prazeres, os pobres eram escravizados pelas máquinas e sobreviviam no subsolo. Em meio a esse  caótico cenário, uma líder do proletariado acaba surgindo como a grande ameaça a todo regime. Ciente desta mobilização, um cientista louco decide criar uma robô com a aparência desta líder, fazendo com que ela semeasse a discórdia entre os revoltados e destruísse a confiança que sentem por ela. Um clássico Sci-Fi, repleto de simbolismos, que está na estante de dez entre dez fãs do gênero. 

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...