quarta-feira, 9 de julho de 2008

Especial Chaplin (Parte 3)

Charles Chaplin era um mulherengo de primeira linha, e tinha uma grande queda por atrizes. Em toda sua carreira Chaplin chegou a ser envolver e até mesmo casar com algumas. Mildred Harris foi a sua primeira esposa, em um casamento que durou muito pouco. A segunda esposa, Lita Gray (foto à esquerda com Chaplin e o seu primeiro filho) era mais uma atriz, só que este “romance” (ou melhor, atração física) começou dentro do próprio sete de filmagem do filme Em busca do Ouro. Com a senhora Gray, Chaplin teve seus dois primeiros filhos. Aliás, foi por causa do nascimento do primeiro filho que Chaplin teve de se casar com a atriz, porque como Lita era menor de idade e estava grávida, Chaplin poderia ter sido preso por manter relações com uma jovem (ela tinha dezessete anos). Mas, logo o casamento se deteriorou e a separação foi inevitável (esta relação deixou dois filhos: Charles Jr e Sidney). Chaplin teria se “enroscado” mais algumas vezes por toda sua carreira, mas foi no quarto casamento com Oona O'Neil, filha do famoso dramaturgo Eugene O'Neil, que ele encontrou a paz na sua vida amorosa.

Oona (foto à direita com Charles Chaplin) foi sua esposa, e uma amiga inseparável até o seu leito de morte. Juntos eles superaram diversos problemas como a expulsão dos EUA, devido a problemas políticos durante a Guerra Fria, onde os ideais de Chaplin expressos em seus filmes foram diretamente associados ao comunismo. Além disto, os diversos boatos, totalmente irreais utilizados para complicar ainda mais a imagem de Chaplin perante a nação americana, de que ele cometia diversos adultérios, complicaram  a sua situação dentro do país. Mas antes de ser expulso dos Eua, e retornar para Inglaterra com toda sua Família, Chaplin filmou um dos filmes mais questionados e inesquecíveis de toda sua obra: Monsieur Verdoux.

Monsieur Verdoux foi filmado no ano de 1947, quatro anos após o casamento com Oona. Hoje nós vemos uma profusão de filmes com humor negro barato e sem graça alguma. Mas Chaplin, em meio a um contexto político turbulento e uma sociedade totalmente conservadora, criou do alto de sua genialidade o primeiro filme de humor negro da história (não conheço qualquer tipo de filme com o mesmo conteúdo, lançado antes de Monsieur). Monsieur Verdoux foi baseado na biografia de Landru, um sádico assassino que matava mulheres depois de seduzi-las, que ficou muito conhecido pelo apelido de Barba Azul.

O filme se passa no fim da década de 20, em meio à crise econômica da bolsa. Chaplin interpreta Henry Verdoux, um bancário que depois de trinta anos é demitido do seu emprego. Com um filho para sustentar e uma esposa paraplégica, Henry desenvolve uma personalidade maníaca e para conseguir dinheiro passa a ser envolver com mulheres ricas e fúteis, matá-las, e roubar todo o patrimônio das vítimas. Chaplin neste filme faz uma crítica feroz ao capitalismo e ao consumismo, características da sociedade norte americana. O resultado foram as criticas negativas e a total censura, se tornando assim um fracasso de público. Em Monsieur Verdoux, Chaplin atinge as entranhas da sociedade norte-americana, deixando expostas várias feridas. Mesmo como um assassino cruel, Verdoux se coloca como um produto da sociedade e diversas vezes faz críticas severas a indústria das armas e ao próprio governo, usando a premissa (incrivelmente verdadeira) que muitos (explicitamente ele cita a indústria armamentista, em alta num período pós-guerra) mataram mais do que ele e eram considerados heróis. E ele (Verdoux) por matar algumas pessoas era levado à forca. Enfim Monsieur Verdoux é um filme incrivelmente cativante e empolgante, que faz refletir e ainda dar boas risadas. A cena final, mais um discurso acalorado, é realmente sublime.

2 comentários:

Rosie disse...

Arrasou no texto Thiago!!!!!!
Acho importante saber de artistas do nível do Chaplin.. notável para a história do cinema sem sombra de dúvidas!!!!!!!!!!

siby13 disse...

Muito bom este Blog, um rapaz tão jovem com um texto tão bem elaborado. Parabéns!!!
Adoro ler sobre Chaplin.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...